Eleitores voltam às urnas em 19 cidades para escolha de novo prefeito

Seções funcionam das 7h às 17h para a realização das eleições suplementares neste domingo (3); nestas cidades, a Justiça impediu que chapas eleitas em 2020 exercessem o mandato

Rafaela LaraRenan Fiuzada CNN*

em São Paulo

Ouvir notícia

Eleitores de 19 municípios brasileiros voltam às urnas neste domingo (3) para escolher novos prefeitos e vice-prefeitos nas chamadas eleições suplementares.

Este tipo de pleito acontece sempre que há decisão da Justiça que indefira o registro da candidatura, a cassação do diploma ou a perda do mandato da chapa eleita majoritariamente, conforme o artigo 224 do Código Eleitoral.

O novo pleito acontece neste domingo nas seguintes cidades: Firmino Alves (BA), Juazeiro do Piauí (PI), Goianésia do Pará (PA), Capoeiras (PE), Palmeirina (PE), Paranhos (MS), Mendonça (SP), São Lourenço da Serra (SP), Mineiros do Tietê (SP), Guaíra (SP), Apiaí (SP), Campina do Monte Alegre (SP), Itaoca (SP), Piacatu (SP), Santo Antônio do Jardim (SP), Trabiju (SP), Anhembi (SP), Cajati (SP) e Angatuba (SP).

 

 

Eleições suplementares também podem ser convocadas quando o candidato vencedor em 2020 disputou o pleito por força de uma liminar (decisão provisória) judicial que acabou não se confirmando posteriormente ao resultado.

Esse foi o caso, por exemplo, de Antônio José de Oliveira (PT), que venceu a eleição para prefeito de Juazeiro do Piauí, mas acabou tendo o registro de candidatura indeferido posteriormente por ser responsável por uma rádio clandestina.

Somente poderão participar das eleições eleitores que já votavam no município até 14 de abril de 2021. Os escolhidos ficarão nos cargos até 31 de dezembro de 2024.

Eleições suplementares em São Paulo

Treze municípios de São Paulo têm eleições suplementares em andamento neste domingo. As votações acontecem em Angatuba, Anhembi, Apiaí, Cajati, Campina do Monte Alegre, Guaíra, Itaoca, Mendonça, Mineiros do Tietê, Piacatu, Santo Antônio do Jardim, São Lourenço da Serra e Trabiju.

Nos municípios onde foi feita a revisão biométrica obrigatória em 2019, os eleitores que não fizeram o cadastro das impressões digitais tiveram o título cancelado e não poderão votar. A medida havia sido suspensa, devido à pandemia da Covid-19, para as eleições de 2020, mas voltou a vigorar neste ano.

Para votar, é necessário ter um documento de identidade com foto. O e-Título é válido como documento desde que o eleitor tenha feito o cadastramento biométrico.

*Com informações da Agência Brasil 

Mais Recentes da CNN