Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em meio a greves, Lula recebe reitores para anúncio de obras do PAC

    Presidente e ministros devem apresentar detalhes do Programa de Aceleração do Crescimento de universidades e hospitais universitários; reitores cobram demandas dos servidores que estão em greve desde março

    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ricardo Stuckert / PR

    Marina DemoriTaísa Medeirosda CNN Brasília

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebe, nesta segunda-feira(10), reitores de universidades e institutos federais, no Palácio do Planalto, para anunciar medidas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que vai contemplar universidades e hospitais universitários.

    Também devem participar do anúncio os ministros da Educação, Camilo Santana, Esther Dweck, da Gestão e Inovação, Rui Costa, da Casa Civil e Luciana Santos, da Ciência, Tecnologia e Inovação.

    O encontro ocorre em meio a uma greve de servidores, que já se estende por 68 dias. A expectativa dos reitores com quem a CNN conversou é de que o presidente fale sobre o assunto e avance nas negociações para retomada das atividades que estão suspensas.

    Na semana passada, a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), que participa da reunião com o presidente Lula, recebeu o comando de greve de servidores técnico-administrativos, que faz parte da diretoria da Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra).

    Os servidores pediram para que a Andifes auxilie na mediação junto ao governo federal para o fim da greve. A presidente da Andifes e reitora da Universidade de Brasília, Márcia Abrahão, disse que o fim da greve é de interesse de todos, e que está à disposição para ajudar a construir consensos com o governo.

    “Todos nós temos interesse que essa greve termine o mais rápido possível. É um momento difícil para o país e para o governo”, disse.

    Ao longo desta semana, novos protestos estão previstos, organizados pelas entidades que representam as categorias.

    Na convocação para os atos, divulgadas pelo Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), os servidores dizem estar “em um momento decisivo da luta’’ e que “ficará evidente qual lugar que a educação pública federal ocupará na agenda política e econômica do governo Lula”.

    Na última semana, atos foram realizados em frente ao Ministério da Gestão e Inovação. A pressão fez com que o governo previsse novas mesas de negociação, para tratar sobre reajustes salariais.

    As rodadas devem ocorrer na terça-feira (11), no caso dos técnico-administrativos, e na sexta-feira (14) no caso da negociação para contemplar os docentes.

    Ao longo desta semana, os sindicatos preveem a ida de caravanas a Brasília e atos locais nos estados para pressionar o governo por melhorias nas condições de trabalho.