Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula a Esther Dweck sobre greve nas universidades: “Não sei como você não tomou uma vaia”

    Professores e servidores técnico-administrativos de universidades públicas brasileiras reivindicam reajuste salarial e equiparação dos benefícios dos servidores públicos federais àqueles concedidos ao legislativo e ao judiciário

    Amenizando a situação, o presidente completou que Esther é "uma mulher extraordinária" e "fantasticamente competente"
    Amenizando a situação, o presidente completou que Esther é "uma mulher extraordinária" e "fantasticamente competente" Arquivo - Adalberto Marques/MGI

    Do Estadão Conteúdo

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ironizou, na quarta-feira (15), a atuação da ministra de Gestão e Inovação, Esther Dweck.

    O petista disse que não sabia como a ministra não havia sido vaiada por não ter conseguido “resolver o problema do acordo dos professores”.

    A declaração de Lula foi durante evento realizado na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo, Rio Grande do Sul.

    A fala de Lula diz respeito às paralisações feitas pelos professores e servidores técnico-administrativos de universidades públicas brasileiras que reivindicam reajuste salarial e equiparação dos benefícios dos servidores públicos federais àqueles concedidos ao legislativo e ao judiciário, ainda em 2024.

    “Ministra que negocia greves”

    “Eu não sei como a gente está numa faculdade e você não tomou uma vaia aqui, porque não conseguiu resolver o problema do acordo dos professores”, disse Lula, em tom de brincadeira, à ministra que “negocia as greves”.

    Amenizando a situação, o presidente completou que Esther é “uma mulher extraordinária” e “fantasticamente competente”.

    A declaração do presidente ocorreu em evento voltado ao anúncio de medidas para a reconstrução do Rio Grande do Sul e auxílio às famílias atingidas pelas enchentes que já afetaram mais de 2,1 milhões de gaúchos.

    Durante o discurso, Lula também afirmou que não sabia que existiam tantas pessoas negras no estado e ainda fez menção à divergência de liberação de recursos entre o governo federal e o governo estadual, sob gestão de Eduardo Leite (PSDB).

    Sobre a greve nas universidades e institutos federais, o chefe do Executivo já havia dito, em entrevista concedida no dia 7 de maio, que a situação não lhe “encanta” e, assim como o ministro da Educação, Camilo Santana (PT), Esther também queria “negociar o mais rápido possível”.

    Ainda na quarta-feira, o governo apresentou uma nova proposta de reajuste salarial aos servidores públicos que pode chegar a 31% até 2026. No entanto, caso os valores sejam aceitos, eles passam a ser pagos apenas a partir do ano que vem.

    A proposta foi detalhada pelo secretário de relações de trabalho do Ministério da Gestão, Jose Lopez Feijóo, em reunião com o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN).