Em meio à piora da pandemia no país, popularidade de Bolsonaro cai para 31%

A queda de seis pontos percentuais na avaliação positiva do presidente é a maior registrada nominalmente pelo Datafolha desde o começo do governo Bolsonaro

Popularidade do presidente Jair Bolsonaro, de acordo com o levantamento
Popularidade do presidente Jair Bolsonaro, de acordo com o levantamento Foto: Adriano Machado/Reuters (28.ago.2020)

Daniel Fernandes, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (22) aponta que a popularidade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) caiu na comparação com levantamento feito no início de dezembro de 2020. De acordo com o instituto de pesquisa, agora 31% dos brasileiros consideram a gestão Bolsonaro como boa ou ótima; o número antes era de 37%.

A queda de seis pontos percentuais na avaliação positiva do presidente é a maior registrada nominalmente pelo instituto desde o começo do governo Bolsonaro.

Ainda de acordo com a pesquisa, a rejeição ao presidente aumentou. Bolsonaro é considerado como um presidente ruim ou péssimo por 40% da população. No levantamento anterior, 32% dos entrevistados assim o consideravam.

A avaliação de que o governo Bolsonaro é regular caiu de 29% no levantamento anterior para 26%, oscilação dentro da margem de erro da pesquisa – que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos -, segundo o Datafolha.

O Datafolha ouviu 2.030 pessoas em todo o Brasil entre os dias 20 e 21 de janeiro. Por causa da pandemia do novo coronavírus, a pesquisa foi realizada por telefone.

Maioria rejeita impeachment

Apesar da piora na avaliação do governo, 53% dos entrevistados se disseram contra o impeachment do presidente. O número mostra estabilidade em relação ao levantamento anterior, no qual 50% dos entrevistados se disseram contrários à medida.

Também oscilou entro da margem de erro o número de entrevistados que defenderam a abertura de um processo de impeachment contra o presidente, de 46% em dezembro para 42% agora. O total de quem não sabia responder passou de 6% para 4%.

Mais Recentes da CNN