Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Equipe da PF embarca aos EUA para investigar caso das joias e cartões de vacina

    Um delegado e um agente da Polícia Federal viajaram na tarde desta quarta-feira (24)

    Elijonas Maiada CNN

    Brasília

    Uma equipe da Polícia Federal embarcou aos Estados Unidos para colher provas sobre o escândalo das joias sauditas e da fraude em cartões de vacina que envolvem o entorno do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

    O embarque de um delegado e de um agente aguardava a autorização do FBI para o compartilhamento de informações antes de marcar o deslocamento.

    A CNN apurou que o delegado responsável pelos dois inquéritos na PF é quem viajou e colherá informações para incluir na investigação.

    A equipe também deve colher imagens e documentos que ajudem na conclusão do inquérito sobre os episódios.

    Os agentes devem visitar quatro cidades americanas: Miami, Orlando, Nova York e Wilson Grove.

    A previsão é de que também sejam feitos depoimentos com os comerciantes das lojas onde foram vendidas e recompradas as joias.

    A coleta do material é considerada o último passo para a conclusão da investigação. A expectativa é de que o inquérito seja finalizado em maio, segundo apuração do âncora da CNN Gustavo Uribe.

    A conclusão pode ser o indiciamento de Bolsonaro e de seu ex-ajudante de ordens, o tenente-coronel Mauro Cid.

    Há duas semanas, Cid prestou novo depoimento à Polícia Federal. E, segundo investigadores da força policial, tratou sobre o inquérito das joias.

    A investigação apura se presentes oficiais da Presidência da República foram vendidos no exterior e os valores depositados em contas nos Estados Unidos.

    A legislação proíbe a venda de presentes oficiais que não sejam personalíssimos, como alimentos e perfumes.

    A investigação da Polícia Federal aponta que relógios e esculturas foram negociados nos Estados Unidos.

    Mauro Cid fechou delação premiada. Bolsonaro nega irregularidades no caso.

    Falsificação de carteiras

    O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), acolheu um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e determinou que a Polícia Federal aprofunde as investigações contra o ex-presidente e outras 16 pessoas por suposta participação nas fraudes em cartões de vacina.

    O Ministério Público pediu mais apuração sobre o esquema, inclusive sobre uma possível relação das fraudes com uma tentativa de golpe de Estado.

    Moraes determinou que a corporação esclareça, por exemplo, sobre possível uso efetivo das carteiras falsas de vacinação nos Estados Unidos.