Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ex-secretário de Saúde deixa pré-campanha de Boulos e diz que motivação é falta de repúdio ao Hamas

    Jean Gorinchteyn foi secretário durante a gestão de João Doria; Boulos, nas redes, defendeu direitos palestinos, mas disse condenar ataques

    Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do Estado de São Paulo (19.out.2020)
    Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do Estado de São Paulo (19.out.2020) Foto: CNN Brasil

    Danilo Moliternoda CNN

    São Paulo

    Secretário de Saúde do estado de São Paulo durante a pandemia de Covid-19, Jean Gorinchteyn confirmou à CNN que deixou a pré-campanha de Guilherme Boulos (PSOL) à Prefeitura da capital.

    A motivação, diz Gorinchteyn, foi o deputado federal não condenar os ataques do Hamas a Israel, que tiveram início no sábado (7). Ele coordenava plano da pré-campanha na área da Saúde.

    “Diante da postura pró-Palestina que não menciona ou condena o grupo extremista islâmico armado Hamas pelos atentados em Israel, que vitimaram civis e sequestraram mulheres e crianças, adotei a decisão oficial de me retirar”, escreveu em nota.

    O médico infectologista, que foi secretário durante a gestão de João Doria, indicou ainda que “é imperativo condenar e repudiar ataques terroristas contra civis em qualquer lugar do mundo”.

    “Reafirmo meu compromisso como judeu em apoio ao Estado de Israel e em respeito às vítimas e seus familiares”, completou.

    Boulos usou suas redes sociais por volta do meio dia deste domingo (8) e disse “condenar sem meias palavras ataques violentos a civis, como os que mataram nas últimas horas 250 israelenses e 232 palestinos”. Ele destacou, porém, sua defesa pública dos “direitos do povo palestino”.

    “Defendo uma solução pacífica e duradoura, que passe pelo cumprimento do direito internacional e das resoluções de paz”, escreveu.

    FOTOS – Veja as imagens do 2º dia de conflito entre Israel e o grupo Hamas