Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Exército coloca 130 militares para monitorar fronteira com a Venezuela

    Medida ocorre em meio as tensões por conta do território de Essequibo

    Jussara Soaresda CNN

    Brasília

    O Exército brasileiro aumentou para 130 o efetivo para o patrulhamento na fronteira com a Venezuela.

    O Pelotão Especial de Fronteira de Pacaraima, em Roraima, que normalmente opera com 70 homens, ganhou o reforço de mais 60 militares.

    A medida ocorre em meio as tensões por conta do território de Essequibo. O Brasil quer evitar que a Venezuela use o território brasileiro para avançar sobre a Guiana.

    “Precisamos ter cuidado. É como se seu vizinho quisesse invadir outra casa usando a sua. O que não podemos permitir é que a Venezuela, querendo entrar na Guiana, use nosso território. Estamos atentos. A Defesa não vai permitir que use território brasileiro para outro país entrar em briga”, disse o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, ao analista da CNN Caio Junqueira.

    Neste domingo, haverá um referendo, convocado pelo presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para que os cidadãos avaliem se apoiam que a Venezuela fique com uma área pertencente a Guiana chamada Essequibo. Uma das perguntas é se a população autoriza o governo a usar “todos os meios” para retomar a área, que ocupa quase dois terços da Guiana. O território tem reservas de petróleo.

    Em nota, o Exército informou que as movimentações de tropas fazem parte do adestramento avançado da 1ª Brigada de Infantaria de Selva, visando manter a prontidão e eficiência operacional da Força Terrestre.

    “A Brigada em Roraima segue realizando sua ação de presença naquela faixa de fronteira normalmente. O acréscimo de 60 militares na região de Pacaraima visa atender, em melhores condições, à missão de vigilância e proteção do território nacional”, informou a Força.

    Tópicos

    Tópicos