Governador do Amazonas é alvo de buscas da PF por fraudes na saúde

Investigação apura a atuação de organização criminosa instalada no governo estadual para desviar recursos públicos durante pandemia

Sinara Peixoto, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal cumprem, nesta terça-feira (30), mandados de prisão temporária contra 8 pessoas, além de buscas e apreensões em 14 endereços de pessoas ligadas ao governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC).

As medidas foram determinadas pelo ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e incluem o bloqueio de bens no valor de R$ 2,9 milhões.

A Operação Sangria apura suspeitas de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, peculato, delitos da lei de licitações, lavagem de dinheiro e crimes contra o sistema financeiro.

De acordo com a investigação, uma organização criminosa instalada no governo do Amazonas atuaria com o objetivo de desviar recursos públicos destinados a atender as necessidades da pandemia de Covid-19.

Assista e leia também:

Secretária de Saúde do Amazonas é presa em operação da PF

PF faz buscas na casa de Helder Barbalho, governador do Pará

Os investigadores identificaram compras superfaturadas de respiradores, direcionamento na contratação de empresa, lavagem de dinheiro e montagem de processos para encobrir os crimes praticados com participação direta do governador.

No esquema identificado pelo MPF e pela PF, o governo do estado comprou, com dispensa de licitação, 28 respiradores de uma importadora de vinhos. Nesse contrato ,a suspeita de superfaturamento é de, pelo menos, R$ 496 mil.

Os equipamentos vendidos pela importadora foram adquiridos de uma empresa fornecedora de equipamentos de saúde por R$ 2,480 milhões e revendidos, no mesmo dia, por R$ 2,976 milhões ao estado.

Assista e leia também:

Operação da PF investiga desvio de R$ 15 milhões na saúde do RS

PF cumpre 30 mandados contra desvio de R$ 7 milhões na saúde de Cabo Frio, no RJ

Em nota publicada nesta terça pelo MPF, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo diz que as investigações permitiram, até o momento, “evidenciar que se está diante da atuação de uma verdadeira organização criminosa (…) instalada nas estruturas estatais do governo do estado do Amazonas”.

“Os fatos ilícitos investigados têm sido praticados sob o comando e orientação do governador do estado do Amazonas, Wilson Lima, o qual detém o domínio completo e final não apenas dos atos relativos à aquisição de respiradores para enfrentamento da pandemia, mas também de todas as demais ações governamentais relacionadas à questão”, destaca a subprocuradora.

Prisão da secretária de Saúde

A secretária de Saúde do Amazonas, Simone Papais, foi presa, nesta manhã, de acordo com fontes da PF ouvidas pela analista de política da CNN Basília Rodrigues. A secretária é um dos alvos dos oito mandados de prisão da operação.

No início do mês, em entrevista sobre as investigações na área da saúde do estado, a secretária afirmou que “não havia possibilidade de ninguém ser processado nem sequer preso”. Na ocasião, ela afirmou que a aquisição dos equipamentos seguiu os critérios legais.

 

‘Apoio frágil’

Segundo o colunista Igor Gadelha, Wilson Lima estava em Brasília desde ontem à noite para cumprir agenda nesta terça-feira (30), mas decidiu voltar para Manuaus agora de manhã.

Avaliação de deputados federais do Amazonas é de que operação de hoje complica a situação política dele no estado. Eles lembram que governador tem “apoio frágil” na Assembleia Legislativa do Amazonas.

Mais Recentes da CNN