Governadores repercutem pronunciamento de Bolsonaro: ‘Estarrecedor’

João Doria, Wilson Witzel, Flávio Dino e outros comentaram nas redes sociais as declarações do presidente da República

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez pronunciamento rodeado de apoiadores
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez pronunciamento rodeado de apoiadores Foto: Reprodução/CNN

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Governadores comentaram nas redes sociais o pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), na tarde desta sexta-feira (24).

Durante a fala, Bolsonaro acusou Moro de condicionar sua permanência no governo a uma indicação ao STF (Supremo Tribunal Federal) e falou de temas que foram do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco às acusações de que a mãe da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, teria cometido falsidade ideológica.

Leia também:

Bolsonaro diz que Moro pediu indicação ao STF

Moro rebate Bolsonaro: se STF fosse meu objetivo, aceitaria troca na PF

‘O senhor não vai me chamar de mentiroso’: as frases de Bolsonaro sobre Moro

“Estarrecedor”, classificou João Doria (PSDB-SP). “Tentou justificar o injustificável. Atacou Sérgio Moro, falou coisas desconexas e flertou com o autoritarismo.”

Wilson Witzel (PSC-RJ) também se manifestou e disse que, após assistir ao anúncio, ficou com uma dúvida: “Por que o presidente quer um diretor da Polícia Federal com quem possa interagir?”, disse.

Flavio Dino (PCB-MA) descreveu a fala como “uma das mais confusas já vistas no país”. Ele partilha da dúvida de Wilson Witzel, perguntando a razão pela qual o presidente pediria para interferir em investigações criminais.

Camilo Santana (PT-CE) publicou que a blindagem de órgãos de investigação e controle contra interferência política é imprescindível em uma democracia. 

O governador mineiro Romeu Zema (Novo) não falou diretamente, mas aludiu ao caso dizendo que sempre prezou pela autonomia da Polícia Civil em seu estado. “Muito triste a situação por que passa o Brasil hoje”, escreveu.

Mais Recentes da CNN