Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governo empenha R$ 17 bilhões em emendas parlamentares às vésperas de votações prioritárias

    Levantamento foi feito com exclusividade para a CNN pela ONG Contas Abertas

    Marcos AmorozoElis Barretoda CNN

    Brasília

    O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) liberou cerca de R$ 17 bilhões em emendas parlamentares nas vésperas de votação de pautas econômicas e essenciais para o funcionamento do Executivo. É o que aponta um levantamento da ONG Contas Abertas feito com exclusividade para a CNN.

    A reforma tributária foi a matéria que, de longe, mais custou aos cofres públicos. Para aprovar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) na Câmara dos Deputados, o governo destinou R$ 8,6 bilhões. Desses, R$ 5,3 bilhões foram empenhados apenas no dia 5 de julho, véspera da votação no plenário da Câmara.

    Na mesma semana, foi aprovado o projeto de lei que dá ao representante da Fazenda Nacional o voto de desempate no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), última instância de julgamento de questões tributárias na administração federal.

    Para efeito de comparação, o valor empenhado é próximo dos R$ 9,1 bilhões destinados a todo o orçamento para custeio e investimentos no município de Campinas em 2023. A cidade é uma das maiores do estado de São Paulo e tem mais de um milhão de habitantes.

    O arcabouço fiscal, que instituiu um novo limite de gastos para o governo federal, foi a segunda matéria mais “custosa” para aprovação. Entre a votação no plenário da Câmara, do Senado e, depois, o retorno para a Casa Baixa para validar alterações ocorridas no caminho, foram empenhados cerca de R$ 4 bilhões de reais para os parlamentares.

    Em cada uma das três etapas descritas acima, foram destinados, em média, R$ 1,3 bilhão, sendo o dia anterior ao da apreciação a data com maior valor de emendas reservadas.

    Fora da pauta econômica, mas essencial para o funcionamento do governo, a Medida Provisória (MP) da Esplanada, que configurou os 37 ministérios do governo Lula e definiu a distribuição de funções entre eles, foi a primeira prova de fogo do Executivo e custou caro: R$ 1,96 bilhão.

    Se a pauta não fosse aprovada pelo Congresso até o dia 1º de junho, quando a MP perderia a validade, os ministérios voltariam à configuração deixada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL)

    Naquele momento, a base do governo no Congresso não era suficiente para garantir a maioria na votação e, além das emendas, o governo precisou ceder em pontos como a recriação da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e nas competências dos ministérios do Meio Ambiente e Povos Indígenas.

    Ainda em debate no Senado, os projetos de lei que tratam das taxações das apostas esportivas e dos fundos offshore e exclusivos também vieram depois da distribuição de bilhões em emendas. Na votação das apostas, foram empenhados R$ 1,4 bilhão; nos fundos offshore e exclusivos, cerca de R$ 1 bilhão.

    Nesta reportagem, foram consideradas todas as emendas parlamentares empenhadas na semana de votação das matérias na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, quando os parlamentares costumam fechar os acordos para a aprovação de matérias.

    Uma emenda empenhada não significa que o dinheiro foi enviado ao destino final mas, sim, que o valor foi reservado no orçamento e será pago futuramente.

    De acordo com o orçamento de 2023, R$ 36,5 bilhões estão reservados para as emendas parlamentares. De janeiro a outubro, já foram empenhados R$ 27,4 bilhões, o equivalente a 75% do total.

    Procurado pela CNN, o Palácio do Planalto não fez comentários.

    VÍDEO – Em semana de votações, Governo libera pagamento de R$ 5 bi em emendas parlamentares

    Confira as liberações de emendas

    • Reforma Tributária + Carf – CÂMARA – 3 a 7/7

    Total: R$ 8,560 bi

    R$ 5,322 bi apenas no dia 5/7, véspera da votação da tributária

    • Marco Fiscal – SENADO – 12 a 16/6

    Total: R$ 1,364 bi

    R$ 1,054 bi apenas no dia 16/6

    • Marco Fiscal – CÂMARA – 22 a 26/5

    Total: R$ 1,328 bi

    R$ 1,053 bi apenas no dia 23, véspera da votação

    • Marco Fiscal – CÂMARA 2 – 21 a 25/8

    Total: R$ 1,322 bi

    R$ 808 milhões no dia 23, um dia depois da aprovação

    • MP reforma ministerial – CÂMARA E SENADO – 29/5 a 2/6

    Total: R$ 1,962 bi

    R$ 1,697 bi apenas no dia 30/5, véspera da votação na Câmara

    • Apostas Esportivas – CÂMARA – 11 a 15/9

    Total: R$ 1,354 bi

    R$ 716 milhões apenas no dia 13/9, dia da votação

    • Taxação offshores e fundos – CÂMARA – 23 a 27/10

    Total: R$ 1,015 bi

    R$ 368,4 milhões no dia 24, véspera da aprovação

    Tópicos

    Tópicos