Governo encaminhará voto pela derrubada de veto à desoneração, diz líder

uma reunião de líderes deve ocorrer na manhã desta quarta-feira, antes da sessão do Congresso, para bater o martelo sobre outros pontos do acordo

Igor Gadelhada CNN

Ouvir notícia

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), afirmou à CNN nesta terça-feira (3) que encaminhará voto pela derrubada do veto do presidente Jair Bolsonaro à prorrogação da desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia. A sessão em que o dispositivo será votado está marcada para esta quarta-feira (4). 

Leia também

Maia e Alcolumbre vão negociar acordo de vacinação com governo federal

Bolsonaro recebe Alcolumbre fora da agenda no Planalto

“O governo vai encaminhar pelo acordo, e o acordo é pela derrubada do veto”, informou o emedebista à coluna, após reunião com parlamentares da base aliada e da oposição, na qual o acerto foi fechado. Segundo ele, apesar do impacto financeiro nas contas públicas — calculado em R$ 10 bilhões em 2021 — prevaleceu a defesa da preservação de milhares de empregos. 

“É dinheiro para o governo, mas é emprego. Imagine você deixar seis milhões de pessoas sem emprego no meio da pandemia”, argumentou o líder do governo.

Segundo Gomes, uma reunião de líderes deve ocorrer na manhã desta quarta-feira, antes da sessão do Congresso, para bater o martelo sobre outros pontos do acordo para a sessão de análise de vetos.  

O senador emedebista lembra que a pauta da sessão terá ainda outros 10 vetos do presidente Jair Bolsonaro e que outros dispositivos também devem ser derrubados. Segundo ele, entre 70% e 80% dos vetos em votação devem ser mantidos com base no acordo. Gomes não quis, porém, especificar que outros vetos devem ser derrubados ou mantidos.

Pela manhã, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), se reuniu com Bolsonaro no Palácio do Planalto para tratar do veto à desoneração.

A ideia do ministro da Economia, Paulo Guedes, era bancar a desoneração com a criação de um novo imposto, mas a ideia não prosperou, por resistências no Legislativo.
 

Mais Recentes da CNN