Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governo Lula terá 37 ministérios, diz futuro ministro da Casa Civil

    Rui Costa disse que orientação do presidente eleito é recriar pastas sem adicionar cargos novos; atualmente, são 23 ministérios

    Pedro NogueiraJuliana Eliasda CNN

    em Brasília e São Paulo

    O futuro ministro da Casa Civil, o petista e atual governador da Bahia Rui Costa, afirmou neste sábado (17) que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva terá 37 ministérios.

    Atualmente, após enxugamento de pastas feito no início da gestão de Jair Bolsonaro, e recriação de parte delas depois, são 23 ministérios ativos.

    De acordo com Costa, a orientação é ampliar os ministérios sem criar cargos novos.

    “Um pedido do presidente [Lula] foi não haver ampliação de cargos, ou seja, o custo e o volume de gastos se manter independente da quantidade de ministérios”, disse.

    “Como vamos transformar 23 em 37? Estamos usando a criatividade e inovando. As áreas meio serão unificadas, áreas comuns para vários ministérios. Hoje o Ministério da Economia desmembra em Industria e Planejamento, mas a área meio será a mesma. Racionaliza o gasto, com mesma equipe cuidando da área meio”, explicou.

    Entre as áreas mencionadas por Costa, que devem voltar a ter ministro próprio, estão Esportes, Portos, Transportes, Pesca e Cidades, além do retorno da trinca Fazenda, Planejamento e Indústria, atualmente concentrada sob o Ministério da Economia.

    Povos Originários é outro tema que deverá também ganhar nova pasta, “como Lula se comprometeu”, disse.

    “Essa é uma questão emblemática. O Brasil se desgastou muito com essa questão simbólica dos indígenas, e estão buscando fazer essa reparação e buscando reparar a imagem internacional”, acrescentou.

    A lista completa de ministérios, afirmou Costa, deve ser divulgada nos próximos dias.

    O governador baiano também comentou que a equipe de Lula irá visitar a Granja do Torto, onde o ex-presidente pretende voltar a morar, nos próximos dias, para avaliar as condições e viabilizar a mudança.

    “Deve precisar de reparos que são habituais durante qualquer mudança, então estão fazendo uma avaliação”, disse.