Twitter e Facebook atendem STF e retêm contas de perfis bolsonaristas

Empresa diz que seguiu determinação do Supremo Tribunal Federal

Daniel Adjutoda CNN

Ouvir notícia

O Twitter e o Facebook retiveram, nesta tarde, perfis bolsonaristas nas redes sociais atendendo à decisão do ministro Alexandre de Moraes no inquérito que apura notícias falsas e ameaças a ministros do STF.

Entre as contas suspensas, estão a da ativista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, do ex-deputado Roberto Jefferson, dos blogueiros Allan dos Santos e Bernardo Küster, e dos empresários Luciano Hang e Edgard Corona e Otávio Fakhoury.

Em nota, o Twitter informou que “agiu estritamente em cumprimento a uma ordem legal proveniente de inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF)”. “O Facebook respeita o judiciário e cumpre ordens legais válidas”, acrescentou a empresa.

Assista e leia também:

CNN tem acesso ao inquérito das fake news

Inquérito das fake news deu resultado, afirma Gilmar Mendes

Em maio, o ministro Alexandre de Moraes determinou o bloqueio das contas nas redes sociais “para a interrupção dos discursos com conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática”.

Para justificar o bloqueio da conta de Roberto Jefferson, o ministro Alexandre de Moraes afirmou na decisão que o ex-deputado é “um dos responsáveis pelas postagens reiteradas em redes sociais de mensagens contendo graves ofensas a esta Corte e seus integrantes, com conteúdo de ódio e de subversão da ordem”.

Veja a lista completa de contas banidas:

Allan Lopes dos Santos (Twitter e Facebook)
Bernardo Pires Kuster (Twitter e Facebook)
Edson Pires Salomão (Twitter e Facebook)
Eduardo Fabris Portela (Twitter e Facebook)
Enzo Leonardo Suzi Momenti (Twitter e Facebook)
Luciano Hang  (Twitter e Facebook)
Marcelo Stachin (Twitter e Facebook)
Marcos Dominguez Bellizia (Twitter e Facebook)
Rafael Moreno(Twitter e Facebook)
Paulo Gonçalves Bezerra (Twitter e Facebook)
Rodrigo Barbosa (Twitter e Facebook)
Roberto Jefferson (Twitter)
Sara Giromini(Twitter e Facebook)
Edgard Gomes Corona (Twitter)
Luciano Hang (Twitter e Facebook)
Otavio Fakhoury (Twitter)
Reynaldo Bianchi Junior(Twitter)
Winston Rodrigues Lima (Twitter e Facebook) 

Bolsonaristas se manifestam

Alvos da decisão do STF e outros partidários do presidente se manifestaram nas redes sociais sobre a decisão.

“Mais uma censura grave do Supremo. Em pleno terceiro milênio e uma ditadura desses juízes, eu fui censurado mais uma vez. Eu tenho 210 mil seguidores e 90 milhões de interações, estão calando a minha voz”, disse Roberto Jefferson, em entrevista à CNN.

O empresário Otávio Fakhoury também se manifestou. “Estamos na China. Fomos censurados como queriam. Um dos objetivos desse inquérito é censurar e intimidar pessoas ligadasà direita brasileira”, disse.

O empresário Luciano Hang se pronunciou por meio de nota. “Recebi com surpresa o bloqueio das minhas redes sociais. Reforço que jamais atentei contra o STF (Supremo Tribunal Federal). Acredito na democracia e que ela só existe através da plena liberdade de expressão, garantida pela Constituição Federal. Todos têm o direito de expressar opiniões individuais. Para construirmos um país cada vez melhor é necessário discutir ideias e manter o debate aberto para toda a sociedade. Isso é o que eu sempre defendi.”

Reynaldo Bianchi Júnior negou que financie fake news. “Em primeiro lugar, fui acusado de financiador de fake news, o que JAMAIS provaram e que NUNCA fui. Em todo o processo, não existe NENHUMA prova contra mim. Essa decisão mostra o autoritarismo, ativismo judiciário e destruição da democracia, realizado por alguns ministros do STF.  A sociedade é completamente contra esses atos!”

“Eu, Sara Winter, encaro isso realmente como uma censura a todos os apoiadores do presidente Bolsonaro”, disse Sara Giromini. Por meio de nota, sua defesa disse que “denunciará aos organismos internacionais de direitos humanos a grave ofensa à liberdade de expressão, direitos e garantias fundamentais”

Marcelo Stachin disse que jamais fez citações que atacassem quaisquer das instituições. “Sempre defendi a liberdade delas, e que todas possam atuar em conjunto para benefício do nosso país.  Acredito que o Inquérito das Fake News bem com a PL 2630 poderá destruir nossa liberdade, ou o que ainda resta dela. E isso inclui não somente os apoiadores do Presidente Bolsonaro mas a própria imprensa. Hoje somos nós os conservadores, da direita, os bolsonaristas, mas amanhã, serão os outros milhões que iro perder  seu direito à livre opinião. A atuação do STF através do grotesco e inconstitucional Inquérito, é a maior demonstração da ditadura no judiciário brasileiro contra a nossa nação!”

Edson Pires Salomão também acredita ser alvo de censura. “Hoje foi institucionalizado o crime de opinião”, afirmou.” Foi declarada a censura aos conservadores por meio de uma decisão do STF.”

Bernardo Küster manifestou-se por meio de nota de seus advogados. Sua defesa classificou a decisão como censura e disse que ela viola a Constituição, o Marco Civil da Internet, a Convenção Americana de Direitos Humanos e a Declaração de Princípios sobre Liberdade de Expressão. “Todas as medidas serão tomadas dentro e fora do país, manifestado, outrossim, nosso mais absoluto repúdio a qualquer espécie de censura e intimidação do jornalista pelas autoridades brasileiras”, disse, em nota. 

Rafael Moreno disse que a conduta desrespeita a Constituição e que a atuação do STF está sendo “ditatorial”. “Estaão nos amordaçando e querendo suprimir os movimentos a favor do Presidente Bolsonaro e o avanço do conservadorismo. Um atitude execrável e infame, que mostra a face perversa do Politicamente Correto. Continuarei lutando para que seja extirpado a mordaça que nos querem impor, porém comigo não acontecerá”, afirmou, em nota. 

Edgard Gomes Corona não vai se manifestar no momento.

(Com reportagem de Larissa Rodrigues, da CNN, em Brasília)

Mais Recentes da CNN