Leite diz que dará “colaboração limitada” a Doria e não descarta concorrer às eleições do RS

Tucano afirmou à CNN que irá se dedicar às eleições para o governo do RIo Grande do Sul em busca de um sucessor, mas que não descarta ser candidato no estado

Basília Rodrigues

Ouvir notícia

Após a decisão de tirar seu nome da disputa presidencial, o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB) espera fazer uma viagem de volta à política de seu estado e trabalhar em um nome viável para sucedê-lo.

Questionado pela CNN, Leite não descartou se lançar candidato ao governo local. Antes, quer ouvir seu grupo político e fazer pesquisas.

“Vou me debruçar na situação do Rio Grande do Sul. Meu papel é não permitir que o estado retroceda e isso vai exigir muito esforço”, disse à CNN.

O ex-governador se disse preocupado com a possibilidade do estado ser comandado por algum nome apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ou pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Leite está nesta terça-feira (26) em Brasília, onde participou de encontro com vereadores de todo país e também marcou jantar com o pré-candidato do PSDB, João Doria.

De acordo com ele, já que o objetivo é focar nas eleições gaúchas, Doria poderá contar com sua “colaboração limitada”, em que Leite não toparia assumir função de coordenação de campanha.

“Sou zero obcecado por candidatura. Me sinto na política em uma missão. Óbvio que eu seria o candidato [à Presidência]. Se meu partido fez prévias e não há forma de rever, estou disposto a colaborar no projeto que meu partido escolheu.”

De acordo com Leite, o jantar com Doria é “um passo seguinte da aproximação”.

Na semana passada, o ex-governador gaúcho publicou uma carta em que manifestou respeito ao processo de prévias do PSDB e apoio a Doria, segundo ele, para não fragilizar o partido e o projeto eleitoral de quebrar a polarização Lula-Bolsonaro.

“O Brasil precisa do PSDB e o PSDB precisa de nós dois juntos.”

Na gestão do Rio Grande do Sul, Leite impôs agenda de reformas e de saneamento fiscal, diminuindo significativamente as dívidas do estado.

“Vou me dedicar ao meu estado, mas isso não quer dizer que ignore meu país. O Rio Grande do Sul tem uma experiência exitosa de diálogo e resolução de problemas”, disse à CNN, antes de seguir para o jantar com Doria.

A CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

Mais Recentes da CNN