Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lira diz que não trabalha com meta de votos para reeleição

    Arthur Lira (PP-AL) foi eleito presidente da Câmara dos Deputados em 2021 e concorrerá à reeleição em fevereiro

    Da CNN

    O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse que não trabalha com uma meta de alcançar 400 votos na reeleição para a presidência da Casa.

    “O Deputado Arthur Lira nega veementemente que tenha afirmado que busca 400 votos para a Presidência da Câmara dos Deputados. Embora o parlamentar seja candidato à reeleição, jamais estipulou qualquer meta nesse sentido”, disse a assessoria dele, em nota.

    Mais cedo, no CNN 360º, a âncora Daniela Lima noticiou que o presidente da Câmara disse a aliados ser possível chegar a marca de 400 votos favoráveis entre os 513 parlamentares. Lira nega que tenha falado em números.

    Arthur Lira (PP-AL) foi eleito presidente da Câmara dos Deputados em 2021 e concorrerá à reeleição em fevereiro deste ano para mais dois anos de mandato. O deputado alagoano foi eleito para o comando da Casa com 302 votos.

    Arthur Lira foi apoiado, na época, por um bloco formado por 11 partidos (PSL, PP, PSD, PL, Republicanos, Podemos, PTB, Patriota, PSC, Pros e Avante) e tomou posse do cargo logo em seguida à divulgação do resultado.

    Lira tem intensificado o corpo a corpo na campanha pela reeleição ao comando da Casa. Sem concorrentes até o momento na disputa, ele pretende agregar um bloco em seu apoio que abrigue desde o PL até o PT.

    Arthur Lira deve investir nos encontros com bancadas estaduais e frentes temáticas.

    Em princípio, Lira não deve viajar intensamente pelo país, como fez em 2021. Isso porque ele não conta com um adversário declarado com chances reais de vencer a corrida pela presidência da Câmara.

    Na eleição interna passada, Lira enfrentou candidatos com campanha forte, como o atual presidente nacional do MDB, Baleia Rossi (SP). Na época, o deputado alagoense usou como slogan “Para toda a Câmara ter voz”.

    (Com informações de Luciana Amaral, publicado por Gabriel Ferneda)