Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula afirma que governo vai “resolver” piso salarial da enfermagem

    Fala foi feita durante evento de relançamento do Minha Casa Minha Vida

    Tiago Tortellada CNN

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta terça-feira (14) que o governo federal irá “resolver o problema” dos enfermeiros, selando o piso salarial da categoria.

    “Vocês podem ter tranquilidade que vamos resolver os problemas de vocês… nós estamos apenas tentando harmonizar o teto, o salário das enfermeiras com a questão das pequenas cidades e as Santas Casas”, disse

    “Mas pode ficar certo que eu terei o maior prazer de convidar as enfermeiras e os enfermeiros no Brasil e dizer: ‘tá resolvido o problema de vocês, o governo vai selar o piso da categoria'”, complementou o presidente.

    A fala aconteceu na cidade de Santo Amaro, na Bahia, onde o chefe de Estado assinou um decreto para a retomada do programa Minha Casa Minha Vida. Ele havia sido substituído pelo Casa Verde e Amarela na gestão de Jair Bolsonaro (PL).

    A meta do governo federal é contratar dois milhões de habitações até 2026.

    Entidades questionam fonte de recursos

    A lei que estabelece o piso de R$ 4.750 para a categoria da enfermagem em todo o país foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) em agosto de 2022.

    No início de setembro, ela foi suspensa pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou que, antes de entrar em vigor, é preciso esclarecer a situação financeira de estados e municípios e como serão afetados empregos e qualidade dos serviços.

    A suspensão foi confirmada em 15 de setembro por maioria no STF.

    No dia 15 de dezembro, no entanto, a Câmara dos Deputados aprovou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que busca viabilizar o custeio do piso salarial da enfermagem. O texto foi aprovado pelo Senado no dia 20.

    Também em dezembro do ano passado, entidades que representam setores de saúde e de finanças públicas se manifestaram contra a ausência de indicação de recursos para o piso nacional da enfermagem.

    Também destacaram que o aumento implicaria em inconstitucionalidades e ampliação de despesas que estados e municípios não conseguiriam arcar.

    “Tirar bolsonaristas escondidos do governo”

    O presidente também afirmou nesta terça que é necessário retirar “bolsonaristas escondidos” do governo federal.

    Ele não explicou em que áreas estariam e nem quantas pessoas seriam, mas disse que isso ficaria a cargo de Rui Costa, ministro da Casa Civil.

    Após pontuar que o governo ainda não conseguiu montar todas as equipes que precisam, advertiu: “Nós temos que tirar bolsonarista que tá lá escondido às pencas [sic]. E a responsabilidade de tirar eles é do Rui Costa. O Rui Costa que tem que assinar as medidas para tirar aquela gente que tá infiltrada dentro do nosso governo”.

    Apoio e “portas abertas” a prefeitos

    Outro ponto destacado por Lula durante seu discurso foi o apoio a prefeitos de pequenas e médias cidades, dizendo que eles “não serão esquecidos” no governo.

    “Não é possível a gente imaginar que um país possa ser rico se as suas cidades são pobres. Não é possível que um presidente pense que pode governar o país sem conversar com os prefeitos, sem ouvir as queixas dos prefeitos, sem ouvir as reclamações”, pontuou.

    O presidente também afirmou que há um programa da Caixa Econômica Federal que estará à disposição “para fazer projeto, para ajudar vocês a conquistarem o dinheiro que precisam conquistar”.

    *com informações de Lucas Rocha, da CNN

    Mais Recentes da CNN