Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula diz que é barato cuidar do povo pobre e que “cuidar de rico” é o que custa caro

    Fala foi feita durante anúncio de pacotes de investimento para o Maranhão

    Lula esteve presente no Maranhão para anúncio de investimentos do governo federal para o estado
    Lula esteve presente no Maranhão para anúncio de investimentos do governo federal para o estado 21/06/2024 - Ricardo Stuckert / PR

    Maria Clara Matosda CNN* São Paulo

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse, nesta sexta-feira (21), que cuidar do povo pobre é barato, e que o que custa caro é “cuidar de rico”.

    A única razão pela qual eu quis ser presidente da República era para provar: é possível e é barato custar do povo pobre desse país. O que custa caro é cuidar de rico. Rico custa caro. Porque o pobre vai conversar com você e ele pede dez reais. O rico pede logo dez milhões.

    Luiz Inácio Lula da Silva

    A fala foi feita durante um evento para anunciar um pacote de investimentos para o Maranhão. Foram anunciados a destinação de R$ 9 bilhões do Novo PAC — programa de investimentos coordenado pelo governo federal — para a criação de polos de energia renovável, a ampliação do programa Luz para Todos no estado e a expansão da Avenida Litorânea e do Porto de Itaqui.

    Ao lado do presidente Lula, o ministro das Comunicações, Juscelino Filho, também esteve presente. Ele foi indiciado pela Polícia Federal pelos crimes de organização criminosa e corrupção passiva.

    Ele nega as acusações.

    Juscelino chegou a falar durante a cerimônia, anunciando investimentos para escolas públicas municipais e estaduais, como serviços de internet banda larga para 10.300 escolas, paga por dois anos pelo governo federal, além de wi-fi gratuito para os alunos da rede pública e a entrega de computadores para as instituições de ensino integral.

    Também estiveram presentes no evento os ministros do Esporte, André Fufuca, das Cidades, Jader Filho, de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, e o governador do Maranhão, Carlos Brandão (PSB).