Maia questiona mudanças sugeridas pelo PT: “direitos trabalhistas foram mantidos”

Em entrevista à CNN, ex-presidente da Câmara dos Deputados alertou que discussão sobre revogar as reformas, como tem sido defendido pelo PT, pode gerar insegurança

Produzido por Ludmila Candalda CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (sem partido – RJ) afirmou, em entrevista à CNN nesta sexta-feira (7), que todos os direitos fundamentais dos trabalhadores foram mantidos com a reforma trabalhista de 2017, e que qualquer discussão para revogação de leis deve ser discutida com cautela para não causar “insegurança institucional”.

“Na modernização das leis trabalhistas, apenas modificamos leis, não a Constituição, então os direitos fundamentais dos trabalhadores foram mantidos, como férias, descanso semanal, licença-maternidade, FGTS entre outros”, disse Maia.

De acordo com o político, as leis anteriores eram da época do governo de Getúlio Vargas, o que beneficiaria um grupo de advogados, que se aproveitavam da insegurança jurídica.

Na terça-feira (4), a presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, defendeu a revogação da reforma trabalhista, e o ex-presidente Lula disse que os brasileiros devem “acompanhar de perto” a reforma promovida pelo presidente da Espanha, Pedro Sanchez.

 

O ex-ministro da Fazenda durante governos petistas Guido Mantega também criticou a reforma trabalhista e a existência do teto de gastos, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo. Na publicação, Mantega diz que a reforma “reduziu direitos e salários”, enquanto o teto “produziu inúmeras distorções na gestão orçamentária”.

Maia disse que esse movimento é uma autoanálise do PT, mas que Lula provavelmente não entrará neste debate no futuro, pois geraria insegurança institucional e jurídica.

“Ficar discutindo revogação de lei só vai gerar insegurança institucional para o processo eleitoral, e, se o presidente Lula for realmente eleito, até no próprio início de governo”, colocou.

Rodrigo Maia também disse que este é um momento que demanda “calma e equilíbrio” para analisar de forma “racional e correta” os impactos da nova lei. Quanto às críticas de que a reforma de 2017 não teria gerado tantos empregos quanto poderia, o político explicou que a crise da JBS, no governo Temer, e o governo do presidente Jair Bolsonaro, além de aspectos econômicos, interferiram no processo.

Na entrevista, o ex-presidente da Câmara também afirmou que é necessário discutir desde a qualidade do trabalhador inserido no mercado até a inclusão. Maia criticou a postura do PT, alegando que durante os anos de 2013 a 2016, durante o governo Dilma, a produtividade do trabalhador caiu 2 pontos percentuais.

Por fim, Rodrigo Maia defendeu a reforma tributária e a reforma administrativa, pois, segundo o político, ajudariam na competitividade das empresas brasileiras.

Veja a entrevista completa no vídeo acima

Mais Recentes da CNN