Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mauro Cid é aguardado na PF para novo depoimento nesta segunda-feira

    Depoimento está marcado para começar às 10h; PF apura se o militar participou de encontro entre o ex-presidente Jair Bolsonaro e o hacker Walter Delgatti Neto

    O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, deverá ser ouvido de novo pela PF
    O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, deverá ser ouvido de novo pela PF Ton Molina/Fotoarena/Estadão Conteúdo

    Gustavo UribeMarina Demorida CNN

    Brasília

    O tenente-coronel Mauro Cid prestará um novo depoimento à Polícia Federal nesta segunda-feira (28).

    A oitiva do ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) está agendada para as 10h.

    VÍDEO – Mauro Cid diz que receber presentes era uma de suas funções

    A CNN apurou que Mauro Cid deverá ser interrogado, novamente, dentro do inquérito que apura as ações do hacker Walter Delgatti Neto, preso por invadir os sistemas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

    Cid e o encontro

    Em depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os ataques criminosos de 8 de janeiro, Delgatti afirmou que se encontrou com Bolsonaro, no Palácio da Alvorada, em agosto de 2022. Disse ainda que os dois conversaram sobre a possibilidade de invasão às urnas eletrônicas.

    Nesse caso, também é investigada a deputada federal Carla Zambelli (PL).

    Os investigadores entendem que, como ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid acompanhava o ex-presidente nas suas atividades e também cuidava de suas agendas. Por isso, ele tem sido questionado sobre o que sabe a respeito do encontro.

    A suspeita é de que Cid teria acompanhado o encontro entre Bolsonaro e Delgatti e também teria viabilizado encontros do hacker com representantes do Ministério Defesa.

    Nem tudo respondido

    Na última sexta-feira, a PF já havia ouvido Cid sobre o caso. O depoimento durou duas horas, mas nem todas as perguntas foram respondidas sob a justificativa da defesa de não ter tido acesso a informações sigilosas do processo.

    Os dados foram repassados pelos investigadores ao advogado do militar, Cezar Bitencourt.

    Mauro Cid está preso desde maio, suspeito de envolvimento em um esquema de fraude em cartões de vacinação de familiares e do ex-presidente Jair Bolsonaro. Ele também é investigado no caso das vendas de joias sauditas do governo brasileiro no exterior.

    VÍDEO – Ouça: Em áudio, mulher fala em pagamento para hacker Walter Delgatti