Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mercosul: chefes de Estado se reúnem em meio à tensão Venezuela-Guiana e a 3 dias da posse de Milei

    Líderes se encontram para concluir adesão da Bolívia ao bloco e assinar acordo de livre-comércio com Singapura

    Lucas Schroederda CNN*

    em São Paulo

    No segundo dia da Cúpula do Mercosul, no Rio de Janeiro, chefes de Estado de Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Bolívia se reúnem, a partir das 11h desta quinta-feira (7), para a conclusão do processo de adesão da Bolívia ao bloco. Está prevista também a assinatura do acordo de livre-comércio com Singapura.

    O encontro entre os líderes dos cinco países ocorre em meio às tensões entre Venezuela (suspensa do Mercosul) e Guiana e a três dias da posse do presidente eleito argentino, Javier Milei, que defendeu a saída do país do bloco durante sua campanha à Casa Rosada.

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o vice-presidente, Geraldo Alckmin (PSB), participam da cerimônia de adesão da Bolívia e da assinatura do acordo com Singapura. Às 13h, Lula e a primeira-dama, Janja, almoçam com os chefes de Estado. Já às 15h, Lula e Alckmin comparecem à sessão plenária dos líderes.

    A Bolívia é um país associado ao Mercosul desde 1996. Entretanto, somente em 2015 deu início ao processo de adesão ao bloco. No Brasil, a pauta já havia sido aprovada pela Comissão de Relações Exteriores da Câmara, em 2018, durante o governo de Michel Temer (MDB).

    Contudo, na gestão de Jair Bolsonaro (PL), o acordo travou, uma vez que o então mandatário era contra a adesão da Bolívia por divergências ideológicas.

    Em outubro deste ano, o plenário da Câmara aprovou, por 323 votos a 98, a adesão da Bolívia ao Mercosul. No mês seguinte, foi a vez do Senado ratificar a entrada do país andino.

    Na quarta-feira (6), o vice-presidente, Geraldo Alckmin (PSB), comentou o ingresso da Bolívia ao bloco. De acordo com ele, a adesão permitirá uma maior integração regional e possibilidades de desenvolvimento.

    “O Mercosul se expandirá com a adesão da Bolívia, criando um espaço ainda mais significativo de integração regional e de possibilidades de desenvolvimento compartilhado”, disse Alckmin.

    Alckmin diz que Singapura vai diversificar exportações e investimentos

    O vice-presidente também declarou que o acordo de livre-comércio entre o Mercosul e Singapura será a maior fonte de diversificação de exportações e investimentos da última década.

    “Este será o primeiro acordo de livre-comércio do Mercosul em mais de 10 anos e o primeiro com um país asiático. Essa integração fortalece os laços econômicos entre o Brasil, o Mercosul e a região asiática, criando oportunidades para maior diversificação das exportações e investimentos.”

    Durante seu discurso, Alckmin apontou ainda que o acordo aproximará os países sul-americanos das maiores economias globais.

    “O Acordo de livre-comércio com Singapura, envolve não apenas mercadorias, mas favorece investimentos, fluxos de tecnologia, serviços, movimento de pessoas e segurança jurídica. Porta de entrada para a Ásia e para a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean)”, concluiu o vice-presidente.

    *Com informações de Cleber Rodrigues, Leonardo Ribbeiro e Mayara da Paz