Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mourão: é preciso não usar defesa da democracia para causar instabilidade

    "É preciso não usar a defesa da Democracia para suprimir direitos e causar instabilidade", afirmou o vice-presidente da República

    O vice-presidente da República, Hamilton Mourão
    O vice-presidente da República, Hamilton Mourão Foto: Romério Cunha/VPR (10.jan.2020)

    Paula Mariane,

    da CNN, em São Paulo

    O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, afirmou que “é preciso não usar a defesa da Democracia para suprimir direitos e causar instabilidade”. A declaração foi feita no Twitter nesta segunda-feira (1º). 

    “Enquanto as atribuições dos Poderes estiverem sendo respeitadas, as decisões das autoridades acatadas e a disciplina das Forças Armadas mantida, não há qualquer ameaça ao Estado de Direito Democrático. É preciso não usar a defesa da Democracia para suprimir direitos e causar instabilidade”, disse Mourão.

    No domingo (31), um movimento múltiplo que reuniu torcidas organizadas de times de futebol de São Paulo – como Palmeiras, Corinthians, São Paulo e Santos –, militantes de oposição ao governo Bolsonaro e integrantes de movimentos sociais na Avenida Paulista terminou em tumulto e enfrentamento com policiais.

    Leia também:

    ‘Deixa eles domingo lá’, diz Bolsonaro sobre próximas manifestações

    Alexandre de Moraes pretende usar provas das fake news no TSE

    Hoje, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pediu que seus apoiadores não participem das manifestações marcadas para o próximo domingo (7).

    Deixa eles sozinhos no domingo, tá ok? Deixem eles sozinhos”, afirmou o presidente depois que um apoiador disse que era preciso “acabar com esses caras de preto batendo na gente”.

    No último sábado (30), Bolsonaro escreveu no Facebook que “tudo aponta para uma crise”, ao comentar decisões recentes do Supremo Tribunal Federal (STF), do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que miram a família, aliados e a sua campanha presidencial em 2018.