MPF dá 72 horas para Ministério da Saúde explicar mudanças nos dados da Covid-19

Entidade instaurou um procedimento extrajudicial para apurar os motivos que levaram a pasta a excluir o número acumulado de mortes causadas pelo coronavírus

Ação de conscientização e combate ao coronavírus em Francisco Morato (SP)
Ação de conscientização e combate ao coronavírus em Francisco Morato (SP) Foto: Divulgação/Prefeitura de Francisco Morato (SP)

Luís Lima,

da CNN Brasil, em São Paulo

Ouvir notícia

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou neste sábado (6) um procedimento extrajudicial para apurar os motivos que levaram o Ministério da Saúde a excluir o número acumulado de mortes provocadas pela Covid-19 no Brasil.

O despacho também determina que o ministro interino da Sáude, o general Eduardo Pazuello, forneça, em até 72 horas, informações detalhadas sobre a mudança. 

O procedimento foi aberto pela Câmara de Direitos Sociais e Fiscalização de Atos Administrativos em Geral do MPF, em nome da subprocuradora-geral da República Célia Regina Delgado, e pelo 
coordenador do Grupo de Trabalho Saúde da pasta, o procurador da República Edilson Vitorelli.

Entre as informações e documentos solicitados estão a cópia do ato administrativo que determinou a 
retirada do número acumulado de mortes do painel, além do teor do procedimento administrativo que motivou a decisão. 

“O ministro também deverá esclarecer se houve e – em caso positivo –, quais foram outras modificações e supressões de dados públicos relativos à pandemia, especificando os fundamentos técnicos que embasaram essa decisão”, diz, em nota, o MPF. 

Transparência 

Na justifica do procedimento, o MPF destaca a transparência “como regra a ser adotada pelo poder público”, e lembra o artigo quinto da Constituição, que assegura “a todos o acesso à informação”. 

Para os autores do despacho a “restrição de informações limita o acesso do público a dados que são relevantes, não sigilosos, que podem orientar a sua conduta em relação à proteção da própria saúde”.

Leia também: 
Wizard defende ‘critério mais apurado’ para divulgação de mortos por Covid-19
Governo não quer maquiar dados, mas fazer plástica completa, diz Mandetta

A decisão do MPF é motivada pelas recentes mudanças nas iformações sobre a Covid-19, divulgadas pelo Ministério da Saúde. A pasta decidiu atrasar o anúncio dos números, que acontecia durante as 17 horas,
e passou para as 22 horas. 

A segunda mudança foi a retirada do número total de mortes, pela primeira vez, na sexta-feira. A alteração foi oficializada neste sábado, o que restringe a divulgação dos dados às últimas 24 horas. 

Em São Paulo, a Defensoria Pública da União (DPU) também entrou com uma ação civil pública na Justiça Federal do estado contra o Ministério da Saúde pedindo a adequada coleta e o retorno da divulgação de dados relacionados à pandemia. 

Em nota, o ministério da Sáude defendeu que o anúncio das informações das últimas 24 horas “permite acompanhar a realidade do país neste momento e definir estratégias adequadas para o atendimento a população”.  

No último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde neste sábado, o Brasil registrou nas últimas 24 horas mais 904 mortes provocadas pelo coronavírus, e 27.075 casos confirmados da doença. No total, o país tem 35.930 mortes e 672.846 diagnósticos confirmados. 

Mais Recentes da CNN