MPF pede arquivamento temporário de inquérito sobre facada em Bolsonaro

O MPF afirma que é necessário identificar as origens do financiamento da defesa de Adélio Bispo, a qual não foi contratada por ele e nem pelos seus familiares

Adélio Bispo de Oliveira é escoltado por policiais federais em aeroporto de Juiz de Fora
Adélio Bispo de Oliveira é escoltado por policiais federais em aeroporto de Juiz de Fora Foto: Ricardo Moraes - 08.set.2018/Reuters

Paula Mariane,

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O Ministério Público Federal (MPF) solicitou o arquivamento provisório do segundo inquérito que trata do ataque feito por Adélio Bispo de Oliveira ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), ocorrido no estado de Minas Gerais em 6 de setembro de 2018. 

Após analisar a investigação, o MPF concluiu que Adélio Bispo planejou e executou os ataques sozinho. Segundo o inquérito, não houve movimentação financeira incompatíveis nas contas de Adélio ou de seus familiares, descartando a hipótese de que ele teria sido pago para executar o ataque.

Assista e leia também:

Chefe da PF em Minas diz que Bolsonaro não reclamou sobre investigação de Adélio
Aras concorda em prorrogar inquérito sobre suposta interferência na PF
Delegado do caso Adélio narra duas reuniões com Bolsonaro

Segundo o MPF, as investigações deverão ser paralisadas até que o Supremo Tribunal Federal (STF) confirme “a existência de grupo ou pessoas que tenham instigado ou induzido Adélio à prática do atentado”. 

Além disso, o orgão afirma que é necessário identificar as origens do financiamento da defesa de Adélio Bispo, a qual não foi contratada por ele e nem pelos seus familiares.

“Nesta investigação, também não há suspeita de participação dos advogados na infração penal. E a identificação da origem dos honorários alegadamente contratados faz-se igualmente necessária à completa elucidação do fato. Trata-se da linha de investigação ainda pendente, em coerência com a orientação de exaurimento de todas as hipóteses cogitadas”, declara a manifestação.

Mais Recentes da CNN