Na companhia de Temer, Bolsonaro fala por telefone com Alexandre de Moraes

Além da ligação, o presidente publicou uma carta oficial, na qual nega a intenção de agredir Poderes

Da CNN

Ouvir notícia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falou por telefone com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes na tarde desta quinta-feira (9). A ligação foi mediada pelo ex-presidente Michel Temer. O conteúdo da conversa permanece em sigilo. A informação é da âncora da CNN Daniela Lima.

Além da ligação, Bolsonaro publicou uma carta oficial na qual nega a intenção de agredir Poderes. Segundo a analista de política da CNN Thais Arbex, que conversou com Michel Temer, foi o ex-presidente quem redigiu o documento.

“Eu estou ajudando a pacificar o país. Até pelo tom da nota, ela é de harmonia entre os Poderes. Não fiz mais do que venho fazendo em toda a minha vida pública”, afirmou Temer.

Atos de 7 de Setembro

Na terça-feira, o presidente participou de atos organizados por apoiadores com pautas críticas ao Supremo Tribunal Federal. Na manifestação realizada na Avenida Paulista, em São Paulo, Jair Bolsonaro afirmou que não cumpriria mais decisões do ministro Alexandre de Moraes, a quem chamou de “canalha”.

Além do inquérito das fake news, citado por Bolsonaro, o ministro do STF também é o relator da investigação sobre o financiamento de atos antidemocráticos. Recentemente, ordenou a prisão de apoiadores do presidente, como o ex-deputado Roberto Jefferson, acusados de disseminar ameaças e ofensas contra os integrantes do Supremo.

Outro magistrado criticado por Bolsonaro durante fala aos apoiadores é Luís Roberto Barroso, ministro do STF e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Voltando a defender a implementação do voto impresso, derrubado em votação no plenário da Câmara dos Deputados, Bolsonaro criticou Barroso sem citá-lo nominalmente, afirmando que o presidente do TSE estava se excedendo na defesa do voto eletrônico, que chamou de “farsa”.

Reações do Judiciário

Os últimos dias foram pautados por reações de autoridades às falas do presidente da República.

Na abertura da sessão do STF na quarta-feira (8), o presidente da Corte, ministro Luiz Fux, afirmou que chefe de Poder que descumpre decisão judicial comete crime de responsabilidade — no caso de Bolsonaro, a avaliação de que haveria um crime de responsabilidade justificaria a abertura de um processo de impeachment.

O ministro Luís Roberto Barroso falou na quinta, durante sessão do TSE.

Ainda no início de seu pronunciamento, Barroso afirmou que “já começa a ficar cansativo ter que desmentir falsidades para que não sejamos dominados pela mentira”.

Barroso rebateu ponto a ponto as falas de Bolsonaro sobre a possibilidade de fraude nas urnas eletrônicas.

Reações do Congresso

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), fez um pronunciamento de seu gabinete na Casa na quarta-feira.

“Vale lembrar que temos a nossa Constituição, que jamais será rasgada. O único compromisso inadiável e inquestionável que temos em nosso calendário está marcado para 3 de outubro de 2022. Com as urnas eletrônicas”, afirmou o presidente da Câmara dos Deputados.

Em vídeo publicado no canal da TV Senado, o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), também se manifestou. Ele enfatizou a crise socioeconômica, a crise energética e a crise hídrica e disse que “a solução não está no autoritarismo”.

“Então é uma crise real que nós vivemos e nós temos que dar solução a ela. Essa solução não está no autoritarismo, não está nos arroubos antidemocráticos, não está em questionar a democracia. Essa solução está na maturidade politica dos Poderes constituídos de se entenderem. De buscarem as convergências daquilo que verdadeiramente interessa aos brasileiros”, disse.

 

(Com informações de Guilherme Venaglia)

 

Mais Recentes da CNN