Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Na TV, Lula chama prisão de “armação”, e Bolsonaro diz que petista “não foi inocentado”

    Ciro usou seu tempo no horário eleitoral gratuito neste sábado (17) para falar de propostas para a educação; Tebet abordou a fome no país

    Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL)
    Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) Divulgação

    Carolina Cerqueirada CNN

    A propaganda de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no horário eleitoral na TV neste sábado (17) tratou a prisão do candidato como “uma grande armação política”. Jair Bolsonaro (PL) usou todo o seu tempo para criticar o petista, citando as denúncias de corrupção no governo do ex-presidente e afirmando que ele não foi inocentado. Os dois são os mais bem posicionados no agregador de pesquisas Locomotiva/CNN.

    “A prisão do Lula foi uma grande armação política para tirá-lo da eleição de 2018. O cara liderava as pesquisas quando foi preso sem crime e sem prova”, disse o narrador da propaganda de Lula.

    A campanha destacou que Sergio Moro, juiz responsável pelos julgamentos do ex-presidente, foi ministro da Justiça e Segurança Pública no governo Bolsonaro. “Condenado por um juiz, que depois virou ministro, olha só, de Bolsonaro!”, acrescentou o narrador.

    A propaganda ainda tratou sobre educação e destacou que “Lula foi o presidente que mais investiu em educação na história”.

    O candidato ao governo de São Paulo Fernando Haddad (PT) apareceu dizendo que foi ministro da Educação no governo Lula. “Juntos, criamos o Prouni, o Fies sem fiador, o Sisu, o Novo Enem e abrimos as portas das universidades para milhões de jovens brasileiros”, disse.

    Lula prometeu implantar o Mais Universidade para fortalecer o Enem, o Prouni e o Fies, expandir a Lei de Cotas e investir em creches de ensino em tempo integral.

    A propaganda de Bolsonaro foi inteiramente voltada a criticar Lula. Foram exibidas fotos de notícias e reportagens sobre as denúncias de corrupção feitas ao petista e sobre a sua prisão em 2018. Uma deles dizia: “Existem provas de que Lula cometeu os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro”.

    Foi exibido um trecho da delação do ex-ministro Antonio Palocci: “O doutor Emílio Odebrecht fez uma espécie de pacto de sangue com o presidente Lula e levou um pacote de propinas ao presidente Lula: R$ 300 milhões”.

    Foi, ainda, exibido um trecho do debate da Band em que Lula afirma ter sido inocentado: “Eu fui julgado, fui considerado inocente”. Em seguida, o narrador disse “Não, não foi. A pior e maior mentira desta eleição é dizer que Lula foi inocentado”.

    Apareceram fotos de notícias de jornais afirmando que Lula não foi considerado inocente. Um trecho do jurista Ives Gandra falando na TV Cultura foi exibido. “Não foi inocentado. O processo vai ser recomeçado numa outra jurisdição”, disse Gandra, no vídeo.

    “Se o Lula foi condenado, por que ele está solto?”, questionou o narrador. Lula foi solto em 2019 depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) mudou o entendimento sobre as prisões após condenação em segunda instância. Em 2021, seus processos na Lava Jato foram anulados, também pelo STF, que considerou o juiz Sergio Moro parcial ao julgar o caso. Lula recuperou, então, seus direitos políticos.

    A propaganda de Ciro Gomes (PDT) exibiu imagens de uma escola pública no Ceará, e o candidato destacou que o estado, do qual foi governador, tem 79 escolas do ensino fundamental entre as 100 melhores do Brasil.

    “É com base nesse exemplo que eu defini a meta de transformar a nossa educação pública numa das dez melhores do mundo em 15 anos”, disse.

    A candidata a vice, Ana Paula Matos, apareceu na propaganda dizendo que “a educação é a forma mais efetiva de combater a pobreza”.

    Simone Tebet (MDB) falou de fome e criticou o governo Bolsonaro. “Há quatro anos o Bolsonaro não aumenta a verba para a merenda das crianças. Hoje, o valor é de apenas R$ 0,36”, disse. Já para o orçamento secreto, Bolsonaro liberou mais de 5 bilhões de reais”, acrescentou.

    “Em toda esquina, de todas as cidades brasileiras, a gente enxerga famílias inteiras vivendo nas ruas. Isso é inadmissível, isso é total irresponsabilidade, insensibilidade, falta de amor de um governo totalmente insensível”, colocou Tebet.

    A emedebista prometeu erradicar a miséria, diminuir a pobreza, acabar com a fome no Brasil, investir em restaurantes populares e estabelecer o Bolsa Família permanente.

    Saiba mais sobre o horário eleitoral

    Neste ano, a rádio e a televisão transmitem dois blocos diários de propaganda eleitoral gratuita, de segunda-feira a sábado. Cada um deles terá 25 minutos: no rádio, o primeiro será transmitido das 7h às 7h25; e o segundo, das 12h às 12h25. Na televisão, as exibições acontecem entre 13h e 13h25 e das 20h às 20h25.

    Nas segundas, quartas e sextas, quem aparece são os candidatos a governador, senador e deputado estadual. Já nas terças, quintas e sábados, o tempo vai para candidatos a presidente e deputado federal.

    Debate

    As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro.

    O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.

    FOTOS — Veja as fotos dos candidatos à Presidência que serão exibidas na urna