Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Não permitiremos que ideologias contaminem as instituições”, diz Dino em cerimônia

    Ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino afirmou ainda que tal “contaminação” é uma das causas do ataque aos Três Poderes, ocorrido no último domingo

    Ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB)
    Ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB) Reprodução / CNN

    Danilo Moliternoda CNN

    São Paulo

    O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB), afirmou nesta terça-feira (10), que sua pasta “não permitirá que ideologias e preferências eleitorais contaminem as instituições brasileiras”. O discurso foi feito na cerimônia de posse do delegado Andrei Rodrigues como diretor-geral da Polícia Federal (PF).

    “Todos nós temos princípios processuais e penais a cumprir, princípios éticos a cumprir, e nós não permitiremos que sabores individuais, ideologias e preferências eleitorais contaminem as instituições brasileiras, porque nós vimos a tragédia”, disse o ministro.

    Para Dino, tal “contaminação” é uma das causas do ataque aos Três Poderes ocorrido no último domingo (8). O ministro disse que, assim como os criminosos que invadiram as sedes, há agentes públicos que devem ser responsabilizados.

    “A tragédia não foi feita por desvairados apenas, mas também por agentes públicos nestes anos todos, por ação ou por omissão. E temos que nos livrar desta contaminação”, completou.

    Durante seu mandato, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) foi alvo de um inquérito sobre possível interferência na Polícia Federal. Em novembro de 2022, contudo, a Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma manifestação na qual pedia o arquivamento da ação.

    Novo diretor-geral da PF

    Flávio Dino também agradeceu e parabenizou Andrei Rodrigues por sua posse. Policial federal há 20 anos, o delegado coordenou a segurança de Lula durante a campanha eleitoral e integrou a equipe de transição de governo.

    Ele também chefiou a segurança de Dilma Rousseff (PT) em 2010, enquanto ela era candidata à Presidência. E mais tarde ocupou o cargo de secretário extraordinário de Segurança para Grandes Eventos, responsável pela segurança durante a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

    Fotos: Danos causados às sedes dos Três Poderes