Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Futuro ministro, Dino fica no STF por 19 anos e deve ser presidente da Corte em 2035

    Senado aprovou, nesta quarta-feira (13), o indicado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para uma das vagas no Supremo

    Douglas Portoda CNN

    São Paulo

    Aprovado pelo Senado nesta quarta-feira (13) para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Flávio Dino poderá ficar na Corte por pouco mais de 19 anos e deve assumir a presidência dela em 2035.

    Com 55 anos, Dino terá de deixar a Corte quando completar 75 anos, em abril de 2043. A posse do novo ministro é prevista para após o recesso do judiciário, em fevereiro de 2024.

    A aposentadoria dos ministros do STF é compulsória quando eles completam 75 anos de idade.

    Quando Dino será presidente do STF?

    Por tradição, os magistrados da Suprema Corte sempre colocam na presidência o ministro mais antigo que ainda não ocupou o posto.

    Existe um processo de votação para a escolha do presidente e do vice-presidente do STF, mas os ministros costumam respeitar a tradição, tornando o processo uma mera formalidade. O mandato de um ministro no comando da Corte é de dois anos.

    O atual presidente, ministro Luís Roberto Barroso, indicado 75 por Dilma Rousseff (PT) em 2013, assumiu a chefia do Supremo neste ano e ficará até 2025.

    Veja quando os ministros assumem a presidência da Corte:

    • Luís Roberto Barroso (2023-2025) – Indicado por Dilma Rousseff (PT) em 2013
    • Edson Fachin (2025-2027) – Indicado por Dilma Rousseff (PT) em 2015
    • Alexandre de Moraes (2027-2019) – Indicado por Michel Temer (MDB) em 2017
    • Nunes Marques (2029-2031) – Indicado por Jair Bolsonaro (PL) em 2020
    • André Mendonça (2031-2033) – Indicado por Jair Bolsonaro (PL) em 2021
    • Cristiano Zanin (2033-2035) – Indicado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 2023
    • Flávio Dino (2035-2037) – Indicado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 2023

    A ordem poderá ser alterada em caso de aposentadoria antecipada ou morte. Neste momento, a presidência deveria ser ocupada pelo ministro Teori Zavascki, que morreu em um acidente aéreo em 2017.