Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    RJ vai investigar possibilidade de cárcere privado de Queiroz, diz promotor

    Ex-assessor de Flávio Bolsonaro foi preso na manhã desta quinta-feira (18) em Atibaia

    Ouvir notícia

    Em entrevista à CNN nesta quinta-feira (18), Jandir Moura Torres Neto, promotor de Justiça que acompanhou a prisão de Fabrício Queiroz em São Paulo, detalhou a operação e narrou os próximos passos da ação.

    Ele explicou que a equipe responsável pela investigação no Rio de Janeiro irá apurar a possibilidade de cárcere privado — Queiroz foi preso em uma casa do advogado Frederick Wassef, que representa Flávio Bolsonaro. 

    “Aparentemente o imóvel tinha uma área externa, os muros não eram tão altos e por isso terá que ser apurado. Ele estava com dois celulares, o que não entraria nesta circunstância, mas no Rio de Janeiro eles vão apurar”, acrescentou.

     

    Leia também:

    Vídeo: imagens mostram operação que prendeu Fabrício Queiroz em Atibaia

    PF avisou Flávio Bolsonaro do caso Queiroz antes da eleição, diz suplente

    MPF vê “fortes indícios” de lavagem de dinheiro em bens de Flávio Bolsonaro

    O promotor também afirmou que foram tomados “cuidados adicionais” para que não hovesse vazamento da operação. “Devido à sensibilidade do caso, nós tomamos alguns cuidados adicionais [para que vazamentos não acontecessem]. Não fizemos as diligências iniciais para constatar as pecularidades do local e a comunicação sobre detalhes da operação só foi feita hoje pela manhã aos representantes da OAB e aos agentes que auxiliaram no caso. Tudo isso para evitar a proliferação da infomação”, detalhou. 

    Prisão

    Fabrício Queiroz durante a prisão na manhã de quinta-feira (18) em casa em Atiba
    Fabrício Queiroz durante a prisão na manhã de quinta-feira (18) em casa em Atibaia
    Foto: CNN (17.jun.2020)

    O policial militar reformado Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi preso em Atibaia, no interior de São Paulo, na manhã desta quinta-feira (18). O mandado de prisão é do Rio de Janeiro.

    Segundo informou o colunista da CNN Igor Gadelha, Queiroz estava em um imóvel de Frederick Wassef, advogado do senador.

    O ex-policial estava dormindo e se mostrou surpreso com a chegada dos agentes no imóvel em Atibaia — há informações de que ele morava no local há mais de um ano. A polícia também apreendeu dois celulares e documentos na casa.

    A prisão faz parte de uma ação conjunta entre o Ministério Público do Rio de Janeiro e o Ministério Público de São Paulo, por meio do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) dos dois estados.

    Fabrício Queiroz, de 55 anos, foi assessor e motorista de Flávio Bolsonaro até outubro de 2018, um mês antes do início da operação que apura esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), na qual é investigado. 

    Flávio se manifestou sobre a prisão de Queiroz em mensagem publicada em sua conta no Twitter. O senador disse ter recebido com tranquilidade a notícia e afirmou que “a verdade prevalecerá”.

    “Encaro com tranquilidade os acontecimentos de hoje. A verdade prevalecerá! Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro. Em 16 anos como deputado no Rio nunca houve uma vírgula contra mim. Bastou o presidente Bolsonaro se eleger para mudar tudo! O jogo é bruto!”, escreveu o senador.

    (Edição: Leonardo Lellis)

     

    Mais Recentes da CNN