Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PF vai cruzar dados para identificar doadores de R$ 17 milhões para Bolsonaro

    Investigadores da Polícia Federal querem saber se houve fraudes e suspeitam de lavagem de dinheiro; defesa do ex-presidente nega

    Raquel Landimda CNN

    em São Paulo

    A Polícia Federal (PF) vai cruzar dados para tentar identificar, um a um, os doadores dos R$ 17 milhões que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) recebeu via Pix, segundo apurou a CNN.

    Os investigadores querem saber se houve fraudes e suspeitam de lavagem de dinheiro. A defesa de Bolsonaro nega.

    O ex-presidente diz que recebeu os recursos de apoiadores para ajudá-lo a pagar multas e outras despesas processuais.

    Para fazer a “varredura”, os investigadores vão utilizar as informações obtidas com a quebra do sigilo bancário e fiscal de Bolsonaro e de sua esposa, Michelle, autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federeal (STF) Alexandre de Moraes. A PF pretende fazer uma colaboração com o Ministério Público para acessar o Sistema de Investigação de Movimentações Interbancárias (Simba).

    Criado em 2007, o Simba faz a comunicação entre os dados do investigado cujo sigilo foi quebrado pela Justiça, as autoridades e os bancos. Os dados são enviados criptografados, poupando o tempo de análise, que antigamente era feita em papel.

    A estratégia dos investigadores é checar CPF a CPF de cada doador para verificar a origem dos recursos. A hipótese é de que pelo menos parte dos doadores não exista e tenha sido utilizada para “esquentar” dinheiro vivo recebido pela família com o esquema de venda de joias no exterior.

    Na semana passada, Bolsonaro depositou em juízo R$ 913 mil referentes a multas devidas ao governo de São Paulo pelo não uso de máscaras. Essas multas foram um dos motivos que levaram o presidente a fazer uma campanha entre seus apoiadores pedindo recursos.

    “Estou absolutamente tranquilo. Foi tudo republicano. São milhares de doadores. Bolsonaro teve quase metade dos votos na eleição”, disse à CNN o advogado Paulo Cunha Bueno.

    Veja também: PF não descarta apreensão de passaporte de Bolsonaro, dizem fontes