Políticos de diferentes partidos endossam fala de Pacheco sobre eleições; veja

Presidente do Senado disse nesta sexta-feira (9) que a realização regular das eleições é inegociável

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Políticos de diferentes partidos se manifestaram endossando a fala do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), nesta sexta-feira (9), afirmando que a realização de eleições regulares no Brasil é inegociável. A declaração vem após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) dizer que não haveria eleição no país caso o voto impresso não seja aprovado.

Partidos

O presidente nacional do PSD Gilberto Kassab afirmou que o discurso de Pacheco foi “muito bom”. O ex-ministro e ex-prefeito de São Paulo também ressaltou que está de pleno acordo com o que foi explicitado pelo presidente do Senado.

O MDB, em nota oficial, cobrou “serenidade e equilíbrio de todas as autoridades nacionais”. “A Constituição de 1988 define o Brasil como uma República com harmonia e independência entre os poderes. Da mesma forma, determina as funções das Forças Armadas. A maior delas é ajudar a zelar pelo Estado Democrático de Direito”, escreve o deputado Baleia Rossi (MDB-SP), presidente da legenda.

Governadores

Dois dos governadores de maior projeção no país também se manifestaram. Falaram sobre o assunto o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e Wellington Dias (PT), governador do Piauí e presidente do Consórcio Nordeste.

“Sairemos em defesa da democracia e da Constituição pelas nossas palavras, pelas nossas posições”, afirmou João Doria.

Dias, por sua vez, disse: “Eleições limpas seguem regras democráticas e sem vale-tudo. Eleições limpas e modernas, com voto eletrônico, regras de fiscalização, nada de passo para trás.” 

CPI da Pandemia

Por fim, o senador Otto Alencar (PSD-BA), titular da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, focou o seu apoio no ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, que foi chamado de “imbecil” por Bolsonaro. Nas redes sociais, ele afirmou:

“Presto solidariedade ao ministro Barroso e aos membros do TSE pelas agressões feitas pelo presidente Bolsonaro. Sentindo-se isolado, acuado e sem respostas ao deputado Luís Miranda, fala ao seu modo, sem compostura, palavras chulas, ignóbeis e sem credibilidade.”

Docentes da UERJ apoiam Barroso

Um grupo de 74 professores da Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) se manifestaram em solidariedade ao ministro Luís Roberto Barroso, que é professor titular de Direito Constitucional da instituição.

“Os professores da Faculdade de Direito da UERJ abaixo-assinados vêm se solidarizar com o Ministro Luís Roberto Barroso, professor titular de direito constitucional desta Casa, em relação aos ataques injustos, irresponsáveis e em linguagem indigna, do Senhor Presidente da República, em  relação à conduta do magistrado na presidência do TSE na defesa da lisura do processo eleitoral pela urna eletrônica.”

“Nesta oportunidade, reafirmamos nosso compromisso inabalável com a democracia, com o Estado Democrático de Direito e com um processo eleitoral que seja conduzido com transparência, como até aqui tem sido verificado, e com a segurança de que todos os candidatos, inclusive os que vierem a ser derrotados, se curvarão à decisão soberana do povo brasileiro”, concluem.

Entrevista de Rodrigo Pacheco à CNN
Entrevista de Rodrigo Pacheco à CNN
Foto: CNN Brasil

Mais Recentes da CNN