Posse de Biden repercute polarização política no Brasil, segundo análise de FGV

Durante cinco dias, entre 14 e 19 de janeiro, o tema teve destaque no debate público, mas perdeu espaço nas redes para as discussões sobre a vacinação

Joe Biden durante discurso de posse
Joe Biden durante discurso de posse Foto: Reprodução (20.jan.2021)

Leandro Resendeda CNN

Ouvir notícia

A posse do presidente dos Estados Unidos Joe Biden mobilizou quase 226 mil postagens no Twitter no Brasil, que reforçaram a polarização política no país, de acordo com levantamento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas(DAPP-FGV).

Durante cinco dias, entre 14 e 19 de janeiro, o tema teve destaque no debate público, mas perdeu espaço nas redes para as discussões sobre a vacinação, iniciada em São Paulo no último domingo (17). 

O mapa de interações montado pela FGV, a partir da análise dos tuítes, revela que a maior parte do que circulou no Twitter (57,4%) foram mensagens de  apoiadores do ex-presidente Donald Trump nas redes, que seguem defendendo as manifestações convocadas por ele no Capitólio, no dia 6 de janeiro, mesmo após a morte de cinco pessoas e insistindo na disseminação de informações falsas acerca das eleições americanas.

 O forte esquema de segurança montado para a posse de Biden foi interpretado como suposta falta de legitimidade da vitória do novo presidente americano, e não como resposta natural às manifestações de extremistas incitadas por Trump. 

O outro grupo que mobilizou o tema da sucessão presidencial americana teve menor presença nas redes (23,8% das interações) e foram perfis que celebraram o fim da passagem de Trump pela presidência dos Estados Unidos.

Foram registradas, ainda, diversas críticas ao fato de a imagem de Donald Trump ter sido usada na imagem de perfil do presidente do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Por fim, esse grupo, apesar de menor, fez barulho nas redes ao celebrar a presença de uma música da cantora Anitta na playlist oficial da cerimônia de posse de Joe Biden.

Mais Recentes da CNN