Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PSL acatou abertura de processos que podem expulsar 20 deputados, diz Bozzella

    Adesão à campanha de Lira, na avaliação da cúpula do partido, foi a "gota d'água"

    Camila Turtelli, do Estadão Conteúdo

    Ouvir notícia

     

     

    O vice-presidente do PSL, deputado Junior Bozzella (SP), disse que a Executiva Nacional do partido acatou por unanimidade abrir processos contra 20 parlamentares, que podem ser expulsos da legenda. A decisão foi tomada nesta terça-feira (12) em reunião em Brasília.

    Essa não é a primeira vez que o PSL abre processo de expulsão. No ano passado, o partido já tentou expulsar dissidentes, mas desistiu e apenas suspendeu 17 parlamentares. Desta vez, a acusação contra os parlamentares foi reforçada pela adesão à candidatura de Arthur Lira (PP-AL) na eleição para a presidência da Câmara. Oficialmente, a legenda apoia Baleia Rossi (MDB-SP) na disputa.

    “Não há cabimento dar atestado de boa conduta para infratores, contra fatos não há argumento. Esses deputados são reincidentes, porque eles feriram o estatuto do partido”, diz Bozzella.

    Leia e assista também

    Baleia e Lira disputam comando da Câmara voto a voto e contam com ‘traições’

    Deputados fecham com Lira, mas PSL ameaça expulsar quem não apoiar Baleia

    Após lista pró-Lira, PSL convoca reunião para discutir expulsão de deputados

    O grupo de parlamentares já havia sido notificado por ter apoiado candidatos adversários nas eleições municipais. A adesão à campanha de Lira, na avaliação da cúpula do partido, foi a “gota d’água”.

    O novo embate ocorreu após Vitor Hugo, ex-líder do presidente Jair Bolsonaro na Câmara, divulgar uma lista assinada por 32 dos 52 deputados do PSL em favor de Lira. O deputado disse que os parlamentares não aceitam participar do bloco de Baleia Rossi, que inclui partidos de esquerda.

    Agora, depois da decisão da Executiva, o Conselho de Ética do PSL deve emitir um parecer e notificar os deputados acusados de infidelidade partidária. Eles terão um prazo de cinco dias para apresentar a defesa. Caso sejam expulsos, os parlamentares não perdem seus mandatos e nem o direito a votar na eleição da Câmara, mas ficam sem recursos como os do fundo eleitoral e partidário e sem vaga em comissões da Casa.

    Partido que deu abrigo a Bolsonaro nas eleições de 2018, o PSL enfrenta uma sucessão de brigas internas desde que o presidente deixou suas fileiras, há pouco mais de um ano. Por causa da disputa entre Bolsonaro e Luciano Bivar – presidente nacional da sigla -, 17 dos parlamentares que agora podem ser expulsos já estavam suspensos. Além de Eduardo Bolsonaro (SP), a lista inclui Major Vitor Hugo (GO), Bia Kicis (DF) e Carla Zambelli (SP).

    Mais Recentes da CNN