Relatório pró-Bolsonaro sugere que governo crie site para tratar saúde mental

No relatório da base governista da CPI, não há pedidos de indiciamento. No lugar, uma série de recomendações

Basília Rodrigues

Ouvir notícia

O relatório preparado pela ala governista na CPI da Pandemia prevê que o Poder Executivo destine recursos prioritários para criação de programas de saúde mental e de tratamento no SUS, além de um site e de um canal de comunicação para atender a saúde mental das pessoas que ficaram com sequelas da pandemia.

O relatório avulso tem cerca de 200 páginas. Como a CNN antecipou, não há pedidos de indiciamento. No lugar, uma série de recomendações.

Entre elas, há dez sugestões ao governo federal, como a criação de um comitê permanente de gestão de crises e de emergências. No início da pandemia, o governo chegou a criar um comitê emergencial gerido pela Casa Civil, que acabou entrando na mira da CPI por supostamente abrir espaço para o funcionamento de um gabinete paralelo, que recebeu médicos pró-hidroxicloroquina.

O texto é do senador Marcos Rogério. Por meio de consulta formal, ele perguntou ao presidente da CPI, Omar Aziz, quando poderá ser apresentada sua versão de relatório e quanto tempo de leitura teria.

Por acordo, Aziz abriu espaço para a leitura na próxima terça-feira, porém, com tempo limitado de 15 minutos.

Para simplificar, o senador governista fez um resumo com cerca de 10 páginas.

Conheça as recomendações do relatório governista para o governo:

  •  Criação de um comitê permanente de gestão de crises e de emergências;
  • Destinação de recursos prioritários para financiamento à pesquisa e ao desenvolvimento de fármacos e vacinas; bem como à Fundação Oswaldo Cruz e à ampliação de seu parque fabril;
  • Destinação de recursos prioritários para criação de programas de saúde mental e de tratamento no SUS, além de um site e de um canal de comunicação para
    atendimento da saúde mental para população que apresenta sequelas em
    decorrência da pandemia;
  • Estruturação das regiões de saúde no âmbito do SUS, visando promover a
    regionalização e a descentralização das políticas públicas de saúde;
  • Implementação de políticas públicas para a instalação de indústrias produtoras de
    oxigênio medicinal no território nacional;
  • Implementação de políticas públicas de valorização dos profissionais da saúde e
    a reestruturação de carreiras;
  • Implementação de políticas públicas com vistas à diminuição da dependência
    nacional de medicamentos e imunizantes produzidos no exterior;
  • Criação de laboratório de Nível de Biossegurança 4 a fim de que o país alcance
    autonomia nas pesquisas de agentes infecciosos altamente perigosos,
    especialmente quanto às novas cepas do novo coronavírus;
  • Implementação de políticas públicas com ênfase na formação e na capacitação de
    profissionais da ciência;
  • Aperfeiçoamento do sistema de certificação de garantias prestadas pelos entes privados em contratos firmados com o Poder Público.

 

 

Mais Recentes da CNN