Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sandro Fantinel, vereador de Caxias do Sul acusado de xenofobia e racismo, pode ser cassado nesta terça-feira (16)

    Fantinel é acusado de quebra de decoro parlamentar após falas preconceituosas contra trabalhadores baianos durante discurso

    Sandro Fantinel, vereador de Caxias do Sul
    Sandro Fantinel, vereador de Caxias do Sul Tales Armiliato/Câmara Caxias

    Stêvão Limanada CNN

    em Porto Alegre

    A sessão extraordinária que vai julgar o pedido de cassação do vereador Sandro Fantinel (sem partido) está marcada para iniciar às 9h30 de terça-feira (16), no plenário da Câmara dos Vereadores de Caxias do Sul, na Serra Gaúcha.

    Fantinel é acusado de quebra de decoro parlamentar após falas preconceituosas contra trabalhadores baianos durante discurso. Além disso, o vereador também foi indiciado pela Polícia Civil por crime de racismo e o inquérito enviado ao Ministério Público do Rio Grande do Sul.

    Quatro denúncias foram feitas pela casa legislativa contra Sandro Fantinel. Para que o político seja cassado, são necessários, no mínimo, 16 votos favoráveis a uma das denúncias, ou seja, dois terços da composição do plenário.

    De acordo com a assessoria da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul, a sessão iniciará com a leitura das denúncias e cada um dos vereadores terá até 15 minutos para justificar o próprio voto.

    O acusado poderá utilizar até duas horas para a defesa oral. Por isso, o julgamento deverá se estender durante toda terça-feira e até no restante da semana.

    Em 28 de fevereiro de 2023, Sandro Fantinel usou a tribuna para comentar a respeito da polêmica envolvendo denúncias sobre trabalho escravo em fazendas de produtores de vinho do Rio Grande do Sul.

    “Agricultores, produtores, empresas agrícolas que estão neste momento me acompanhando, eu vou dar um conselho para vocês: não contratem mais aquela gente lá de cima. Conversem comigo, vamos criar uma linha e vamos contratar os argentinos, porque todos os agricultores que têm argentinos trabalhando hoje só batem palmas.”

    “[Os argentinos] São limpos, trabalhadores, corretos, cumprem o horário, mantêm a casa limpa e, no dia de ir embora, ainda agradecem o patrão pelo serviço prestado e pelo dinheiro recebido”, afirmou.

    Na época, Fantinel chegou a pedir desculpas e ressaltou que tudo foi um mal-entendido e que até a própria esposa estava pensando em deixá-lo.