Seremos mais contundentes contra o desmatamento ilegal, diz Joaquim Leite

Ao lado do chanceler Carlos França e da ministra Tereza Cristina (Agricultura), o ministro do Meio Ambiente fez balanço da COP26 e anunciou medidas

Rafaela Larada CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, ao lado do chanceler Carlos França e da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, fez um balanço dos acordos e da participação do Brasil na COP26 nesta segunda-feira (22). Ele também detalhou medidas de combate ao desmatamento que serão implementadas na região amazônica por meio da operação “Guardiões do Bioma”.

“Diante dos números inaceitáveis do desmatamento anunciados na semana passada, vamos atuar de forma contundente. Vamos ter mais recursos e mais homens. Com certeza seremos muito mais contundentes para eliminar o desmatamento ilegal na Amazônia”, disse Leite.

O ministro do Meio Ambiente anunciou que a operação “Guardiões do Bioma”, que já atua no combate a incêndios e ao desmatamento ilegal, será ampliada “com mais homens e mais recursos”. Durante a coletiva de imprensa, no entanto, não foi revelado os valores adicionais que serão empenhados nessa operação, que também tem participação do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe),  a área de alertas de desmatamento em outubro foi a maior para o mês em cinco anos. De acordo com o sistema Deter, que é o levantamento de alertas de evidências de alteração da cobertura florestal na Amazônia feito pelo Inpe, 877 km² de floresta tombaram na Amazônia – um aumento de 5% em relação a outubro de 2020. É o recorde de outubro na série histórica iniciada em 2016.

Ao comentar os números, anunciados durante o último dia da COP26, Leite afirmou que a operação “Guardiões do Bioma” atuará especialmente no combate ao desmatamento na Amazônia.

Joaquim Leite (Meio Ambiente), Carlos França (Relações Exteriores), ministra Tereza Cristina (Agricultura) e chefe de gabinete do Min. das Relações Exteriores, Achilles Zaluar / Foto: CNN / Reprodução

“Ibama, ICMBio, Força Nacional e Polícia Federal irão atuar de forma contundente para eliminar os crimes ambientais especialmente na Amazônia. Vamos ter mais recursos e mais homens. Com certeza seremos muito mais contundentes para atingir os nossos objetivos, que é eliminar o desmatamento na Amazônia. O Brasil fará o seu papel”, disse. Na COP26, o Brasil assinou o compromisso pelo fim do desmatamento até 2030.

Lançada em julho deste ano, a operação “Guardiões do Bioma” já atuou em mais de 15 mil incêndios florestais em 11 estados dos biomas da Amazônia, Cerrado e Pantanal.

Desde o início da operação, segundo dados do governo federal, foram realizadas 2.792 ações preventivas por profissionais do Corpo de Bombeiros Militares, Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Ibama e ICMbio.

Balanço das medidas adotadas pelo Brasil na COP26

Ao lado de Leite, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, afirmou que a pasta se compromete a controlar as emissões de metano na pecuária e que, para isso, é importante o compartilhamento das tecnologias necessárias com o pequeno produtor.

Segundo ela, já há ações em andamento no agro que visam a redução do metano. No início deste mês, durante a COP26, o Brasil foi um dos signatários do acordo global pela redução da emissão de metano em 30% – no total, 104 países fazem parte desse compromisso.

“As implicações que o MAPA terá sobre essa assinatura são: a necessidades de aprimorar e mensurar as emissões de metano na pecuária brasileira; aprimoramento e melhoramento genético e alimentação do rebanho. O uso dessas tecnologias poderão ser suficientes para o Brasil cumprir sua meta, além de realizar parcerias com países do Mercosul, como Argentina e Uruguai”, detalhou Tereza Cristina.

O ministro das Relações Exteriores, Carlos França, afirmou que o acordo firmado na COP26 foi “o acordo possível para que todos os países pudessem prosseguir no enfrentamento das mudanças climáticas.”

O chanceler afirmou que a atuação do Brasil nas tratativas da COP26 fortaleceram o multilateralismo pelo clima. é “Minha convicção é de que o governo desempenha papel relevante para o êxito do Acordo de Paris. Como disse o presidente Jair Bolsonaro, o Brasil é parte da solução, não parte do problema”, disse.

Mais Recentes da CNN