Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fachin vota contra ação que contesta resolução que aumentou poderes do TSE

    STF analisa validada da norma criada às vésperas do segundo turno para derrubar fake news nas redes sociais; PGR contesta teor das regras

    Lucas MendesDouglas Portoda CNN*

    Brasília e São Paulo

    O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou, nesta sexta-feira (8), contra uma ação apresentada pelo ex-procurador-geral da República Augusto Aras, que contestava a resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), aprovada em 2022, que aumentou os poderes da Corte sobre conteúdos publicados na internet.

    Os ministros Alexandre de Moraes e Cármen Lúcia acompanharam o voto de Fachin, relator da ação. Os outros ministros ainda não se manifestaram.

    A resolução foi aprovada por unanimidade em outubro, dez dias antes do segundo turno das eleições. A norma busca endurecer a atuação contra notícias falsas nas redes sociais e dar mais agilidade ao processo de retirada da internet de conteúdos falsos que possam comprometer o processo eleitoral. Para Fachin, a norma é constitucional.

    Um dia depois de aprovada a resolução, Aras acionou o STF contra a medida. Na ocasião, Fachin rejeitou suspender provisoriamente a aplicação da norma. Sua decisão foi confirmada pelo plenário do Supremo, por 9 a 2. Divergiram Nunes Marques e André Mendonça.

    Agora, a Corte julga o mérito do caso. A análise está sendo feita em sessão virtual que vai até 18 de dezembro. No formato, não há debate e os ministros apresentam seus votos em um sistema eletrônico.

    Norma válida

    Em seu voto, Fachin disse que a resolução do TSE “não atinge o fluxo das mídias tradicionais de comunicação” e não proíbe “todo e qualquer” discurso, mas apenas os conteúdos que, “por sua falsidade patente, descontrole e circulação massiva, atinge gravemente o processo eleitoral”.

    O ministro rejeitou a argumentação da PGR de que a norma possibilitaria uma censura. Para Fachin, o controle judicial previsto pela resolução é exercido de forma posterior à publicação do conteúdo “e a sua aplicação é restrita ao período eleitoral”.

    “Não há — nem poderia haver — imposição de censura ou restrição a nenhum meio de comunicação, ou a linha editorial da mídia impressa e eletrônica”, prosseguiu Fachin.

    Para o relator, a disseminação de notícias falsas, “no curto prazo do processo eleitoral”, pode ter a força de ocupar todo espaço público, “restringindo a livre circulação de ideias”.

    Conforme o ministro, quando os abusos do poder econômicos durante as eleições se dão sobre a circulação de informações, “recalcando a verdade e compondo-se de falsos dados e de mentiras construídas para extorquir o consentimento eleitoral, a liberdade resta aprisionada em uma caverna digital”.

    Fachin disse que o TSE não agiu além de sua competência e atuou dentro do seu “legítimo poder de polícia incidente sobre a propaganda eleitoral”.

    Em sua opinião, não há aparente afronta ao Marco Civil da Internet, “pois não se cogita, na norma impugnada, de suspensão de provedores e serviços de mensagem, mas sim de controle de perfis, canais e contas, cujas publicações possam ‘atingir a integridade do processo eleitoral’”.

    A resolução

    Apresentada ao TSE pelo presidente Alexandre de Moraes, a resolução permite que a Corte mande excluir das redes sociais conteúdos considerados falsos idênticos aos que já foram derrubados pelo plenário do tribunal.

    Até então, era preciso que a defesa da campanha eleitoral que se sentiu ofendida com alguma publicação acionasse o TSE para derrubar a publicação. Se outra publicação com o mesmo conteúdo fosse feita em outra plataforma, seria preciso acionar novamente o tribunal pedindo a retirada.

    A resolução também garantiu ao TSE o poder de determinar diretamente às plataformas que excluam postagens “sabidamente inverídicas ou gravemente descontextualizadas” sobre a integridade do processo eleitoral.

    A norma foi proposta em um cenário de aumento de violência política nas redes sociais e do volume de denúncias sobre desinformação encaminhadas às plataformas digitais.

    Na época, conforme disse Moraes, também se observou uma intensificação de notícias “fraudulentas” e de agressividade na rede durante a campanha do segundo turno, em relação ao primeiro.

    Parecer de Fachin no plenário virtual

    Em seu parecer no plenário virtual, Fachin diz que a resolução do TSE “não atinge o fluxo das mídias tradicionais de comunicação – nem caberia fazê-lo -, tampouco proíbe todo e qualquer discurso, mas apenas aquele que, por sua falsidade patente, descontrole e circulação massiva, atinge gravemente o processo eleitoral”.

    Em sua opinião, não há aparente afronta ao Marco Civil da Internet, “pois não se cogita, na norma impugnada, de suspensão de provedores e serviços de mensagem, mas sim de controle de perfis, canais e contas, cujas publicações possam ‘atingir a integridade do processo eleitoral'”.

    “Não há — nem poderia haver — imposição de censura ou restrição a nenhum meio de comunicação, ou a linha editorial da mídia impressa e eletrônica”, prosseguiu Fachin.

    A ação

    Na ação enviada ao STF, Augusto Aras questionou trechos da resolução. Ele classificou como censura prévia a imposição de medidas de interdição ou de suspensão total de atividade de perfis, contas ou canais em redes sociais.

    Também argumentou que o documento traz regras e punições não previstas em lei, além de ampliar o poder de polícia do presidente do TSE e de afastar o Ministério

    Público a iniciativa de ações ou de medidas voltadas a proteger a normalidade e a legitimidade das eleições.

    Conforme o então PGR, a preservação da legitimidade do Ministério Público Eleitoral para participação ativa no processo eleitoral é medida inafastável, sob pena de comprometimento dos respectivos procedimentos.

    Aras afirmou que o poder do MP Eleitoral de realizar a representação inicial ou ser intimado para manifestação previamente à decisão está prevista na Constituição Federal, na lei que trata das atribuições do Ministério Público da União e na legislação eleitoral.

    “Reiteramos que a melhor vacina para a desinformação é a informação; para a mentira, a verdade, da qual nenhuma pessoa, instituição ou órgão estatal detém monopólio.

    Assim, nas disputas eleitorais, são, em primeiro lugar, os próprios candidatos e partidos que devem, diante de ilícitos concretos, provocar a Jurisdição eleitoral, buscando o direito de resposta, que é o mecanismo de reequilíbrio por excelência nas campanhas eleitorais”, escreveu Aras.

    O chefe do MP Eleitoral afirma na ação que é necessário avançar, buscando um aperfeiçoamento dos instrumentos legais, processuais e técnicos no combate à desinformação na internet, sobretudo no processo eleitoral. “Esse aperfeiçoamento, contudo, há de se fazer sem atropelos, no ambiente democraticamente legitimado para essas soluções, que é o Parlamento, no momento adequado, em desenvolvimento contínuo de nossas instituições e do nosso processo civilizatório”, pondera Aras.

    “O poder normativo, portanto, não dá ao Tribunal Superior Eleitoral, ainda que imbuído da melhor das intenções e com o objetivo de aperfeiçoar os mecanismos de controle dos indesejados abusos no direito de expressão e da disseminação de desinformação, a prerrogativa de inovar no ordenamento jurídico, no ápice das campanhas eleitorais em segundo turno, sobretudo quando há uma vedação legal expressa a que as resoluções impliquem em restrição de direitos e estabelecimento de sanções distintas das previstas na lei eleitoral”, escreveu Aras.

    *Com informações de Teo Cury