Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tarcísio diz que polarização não é responsabilidade apenas de Lula e Bolsonaro

    Em seminário da Esfera Brasil, governador de SP falou em necessidade de “gestos para descomprimir”

    Tarcísio participou do painel ao lado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União)
    Tarcísio participou do painel ao lado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União) Reprodução

    Henrique Sales Barrosda CNN

    São Paulo

    O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), apontou a responsabilidade “do Judiciário, do parlamento e da mídia” para que o Brasil “comece a olhar para um objetivo e os principais problemas” e consiga sair da polarização.

    “Não é uma responsabilidade simplesmente dessas duas maiores personalidades políticas que estão aí”, afirmou Tarcísio, sem citar diretamente os nomes do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) – este último, seu aliado.

    A fala de governador paulista ocorreu durante participação em painel sobre o papel dos estados no desenvolvimento do país, no Seminário Brasil Hoje, organizado pela Esfera Brasil nesta segunda-feira (22), em São Paulo.

    Se todo mundo não fizer sua parte, a gente não vai sair da polarização. Se ela é deletéria e exacerbada – e a gente concorda com isso –, todo mundo vai ter que contribuir para isso: a imprensa, o STF (Supremo Tribunal Federal) e o Congresso.

    Tarcísio de Freitas

    Tarcísio participou do painel ao lado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União). Ele disse que “ninguém governa brigando, nesse clima de acirramento”.

    “O presidente hoje tem que governar com espírito de Juscelino Kubitschek, de se preocupar com matérias relevantes”, afirmou Caiado, citando as tentativas de conciliação feitas pelo ex-presidente após sofrer tentativa de golpes militares, na década de 1950.

    Já o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, disse que “aos trancos e barrancos”, Lula tem conseguido governabilidade na relação com o Legislativo.