Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Teto de gastos “criminoso” reduziu investimentos em educação, afirma Ciro

    Fala ocorreu em Passo Fundo (RS) e marcou uma nova crítica do pedetista ao mecanismo previsto na Constituição

    Da CNN

    O candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) voltou a fazer críticas, neste sábado (10), ao teto de gastos. Segundo ele, a norma prevista na Constituição reduziu os investimentos em educação no país.

    “A distância entre 10 milhões de desempregados e 500 mil vagas de programadores, de pessoas que operam a informática, é a educação destruída que o Brasil hoje tem. Nós estamos com o menor volume de investimento em educação dos últimos dez anos por um teto de gastos criminosos que botaram na Constituição, que não querem que o povo entenda”, afirmou o pedetista.

    “Se eu for eleito, terá acontecido uma revolução no Brasil, teremos derrotado o sistema. E eu chego lá obrigado a gastar o que [Jair] Bolsonaro está gastando: o menor volume dos últimos dez anos mais a correção da inflação. Eles congelaram tudo”, criticou Ciro.

    A fala ocorreu em Passo Fundo (RS) durante o lançamento da candidatura de Professora Regina, vereadora da cidade, ao cargo de vice-governadora do Rio Grande do Sul – o titular da chapa é o ex-deputado federal Vieira da Cunha (PDT).

    Não foi a primeira crítica de Ciro ao teto de gastos. Em 22 de agosto, por exemplo, o pedetista disse que a norma é uma “absoluta aberração” e, a pretexto de garantir o equilíbrio das contas do governo, não limitou o aumento salarial de categorias como a dos generais.

    Debate

    As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro.

    O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.

    *Publicado por Marcelo Tuvuca, com informações de Danilo Moliterno e Thais Magalhães, da CNN