TSE consulta STF sobre provas em outro processo contra chapa de Bolsonaro

Os advogados da chapa Bolsonaro-Hamilton Mourão e de empresários como Luciano Hang (também alvo das investigações) foram contra o compartilhamento das provas

O edifício-sede do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em Brasília
O edifício-sede do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em Brasília Foto: José Cruz/Agência Brasil (19.mar.2020)

Fernando Molicada CNN

Ouvir notícia

Corregedor do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Og Fernandes determinou que o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), também seja consultado sobre a entrega de provas que seriam utilizadas em outro processo movido pela chapa encabeçada por Fernando Haddad (PT) contra a liderada por Jair Bolsonaro. O material a ser compartilhado consta do inquérito aberto no STF para apurar ameaças e fake news contra a própria Corte.

Na tarde da última sexta (12), Fernandes determinara que Moraes fosse ouvido sobre a conclusão de perícias e a existência de provas que tivessem “pertinência temática” com um dos processos abertos no TSE ,que trata de disparos em massa de mensagens de WhatsApp feitos contra a chapa do PT.

Horas depois, publicou decisão semelhante, referente a outra Ação de Investigação Judicial Eleitoral que também trata de suposto financiamento ilegal ao disparo de mensagens. Os processos, que têm como base reportagens da “Folha de S.Paulo” publicadas em outubro e dezembro de 2018, pedem a cassação do registro da chapa vencedora. As intimações constam da edição desta terça (16) do Diário da Justiça Eletrônico.

Leia também:
TSE não é ator político e julgará Bolsonaro com base em provas, diz Barroso
Relator de ação contra Bolsonaro no TSE pede dados de perícias sobre fake news
TSE suspende julgamento de ações que pedem cassação da chapa Bolsonaro-Mourão

Os advogados da chapa Bolsonaro-Hamilton Mourão e de empresários como Luciano Hang (também alvo das investigações) foram contra o compartilhamento das provas. O Ministério Público Eleitoral, porém, manifestou-se pelo uso do material.

Mais Recentes da CNN