Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    TSE multa Bolsonaro em R$ 20 mil por vídeo sobre kit gay no YouTube

    Vídeo, com o nome “kit gay causa polêmica”, fazia associação do PT com uma suposta distribuição do material

    Lucas Mendesda CNN

    em Brasília

    O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, nesta terça-feira (8), multar o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em R$ 20 mil pela divulgação de um vídeo no canal no YouTube “LulaFlix” sobre um suposto “kit gay”.

    O canal era associado à campanha de Bolsonaro em 2022. Os ministros também multaram, no mesmo valor, o criador do canal.

    Vídeo — Lula critica política ambiental de Bolsonaro, que rebate

    O vídeo, com o nome “kit gay causa polêmica”, fazia associação do PT com uma suposta distribuição do material.

    A Corte também determinou definitivamente a exclusão do vídeo, que havia sido determinada em decisão liminar (provisória) anterior. O canal já não está disponível no YouTube.

    Os ministros seguiram o voto do relator, ministro Floriano de Azevedo Marques. Sobre a multa, os ministros Raul Araújo e Nunes Marques divergiram, propondo um valor menor, mas ficaram vencidos.

    A ação foi ajuizada em 2022 pela coligação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contra a coligação do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

    Além do canal no YouTube, havia também um site com o nome Lulaflix, que foi criado no final de agosto de 2022, durante o período eleitoral. O portal também era vinculado à campanha.

    O site trazia conteúdos contrários a Lula, com impulsionamento do material na internet. Entre os materiais, havia conteúdos que associavam Lula à facção criminosa PCC e materiais sobre o mensalão, aborto e desemprego.

    No final de setembro, o TSE proibiu que a campanha de Bolsonaro impulsionasse o site. A Corte concluiu que o portal era voltado exclusivamente à publicação de publicidade negativa, o que é vedado pela lei.

    A CNN entrou em contato com a defesa de Jair Bolsonaro, mas não houve resposta até a publicação desta reportagem, e tenta contato com o proprietário do canal “LulaFlix”. O espaço permanece aberto.