Twitter quer “proteger conversas em torno do processo eleitoral”, diz gerente no Brasil

Mudanças ajudarão a identificar narrativas e notícias falsas em "em vários momentos da experiência do usuário na plataforma", disse Danielle Kleiner, gerente de Políticas Públicas da rede social

Daniel AdjutoGiovanna Galvanida CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (4), Danielle Kleiner, gerente de Políticas Públicas do Twitter no Brasil, detalhou como serão as novas ferramentas disponíveis na rede social visando o combate à desinformação nas Eleições 2022.

A informação foi repassada com exclusividade à CNN nesta segunda-feira (4).

Entre as iniciativas, estão um selo de candidato no perfil, um sistema prebunk e debunk [entenda abaixo] para desmentir e alertar sobre notícias falsas e uma aba personalizada para assuntos referentes às eleições – no mesmo modelo do que já é feito com notícias sobre a Covid-19.

“O Twitter já tem politicas que combatem a desinformação, mas o vamos ativar é uma camada extra de proteção. Essa camada visa proteger as conversas em torno do processo eleitoral, visa garantir que os direitos e responsabilidades dos eleitores sejam cumpridos”, declarou.

“É uma política que não lida com toda e qualquer desinformação, mas sim com [aquela] que possa atingir a capacidade das pessoas a exercer esse direito, como desencorajar pessoas a participar desse processo cívico”, explicou, nomeando a iniciativa de “política de integridade cívica”.

O selo de identificação dos candidatos é uma delas. Segundo Kleiner, a plataforma irá identificar candidatos à Presidência, governo de Estados, Senado, Câmara dos Deputados e para os Legislativos estaduais a partir dos dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) assim que eles forem compilados.

“As etiquetas são baseadas em dados públicos do TSE e visam ajudar a identificar quem são as pessoas e quais as propostas desses candidatos”, disse. “O Twitter vai fazer isso de maneira proativa e [as etiquetas] não são removíveis”, explicou.

Outro sistema que será adotado é o de prebunks e debunks.

Os prebunks são um conjunto de tweets de fontes confiáveis que desmentem uma desinformação que é abordada frequentemente. As publicações vão reunir as informações verdadeiras e o conteúdo checado sobre determinado assunto, como a segurança de urnas eletrônicas, por exemplo.

Já os debunks (“desmascarar”, em português) funcionam de forma semelhante, mas surgirão no Twitter à medida que novas desinformações surgirem durante o período eleitoral.

Danielle Kleiner afirmou que a rede social já conta com uma equipe de curadoria de conteúdo que selecionará informação de qualidade sobre as eleições “em vários momentos da experiência do usuário na plataforma”.

Como exemplo, a gerente citou “uma conversa ganhando volume ou relevância potencialmente enganosa”, que poderá ter uma contrapartida de modo a destacar o conteúdo selecionado corretamente informativo.

“São várias interfaces que vão permitir trazer informações de confiança para que as pessoas acompanhem esse processo eleitoral tendo o que há melhor em termos de informação”, declarou Kleiner.

Por último, a aba “Explorar” da plataforma também contará com um feed específico sobre as eleições 2022.

“Assim como existe na aba explorar informações sobre a Covid, vamos ter uma aba especifica sobre eleições para que as pessoas possam acompanhar em tempo real informações de qualidade”, explicou.

Debate

CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

Mais Recentes da CNN