Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Vazamento nunca aconteceu, diz advogada após depoimento de Flávio Bolsonaro

    Eduardo Benones, procurador do MPF, disse que grande parte do depoimento foi um confronto entre as falas de Paulo Marinho e a versão do senador

    Da CNN

    A advogada Luciana Pires, que defende o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), disse nesta segunda-feira (20) em Brasília que o vazamento da operação Furna da Onça “nunca aconteceu”.

    Luciana deu a declaração depois de o senador prestar depoimento ao Ministério Público Federal (MPF) sobre o suposto vazamento da operação, que integra uma investigação sobre esquemas de “rachadinha” na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Este foi o primeiro depoimento de Flávio Bolsonaro sobre o caso. 

    Segundo Luciana, seu cliente respondeu perguntas “no sentido de descobrir se o senador obteve alguma informação sobre a Operação Furna da Onça”, o que foi negado pela defesa.

    “O vazamento nunca aconteceu. Nada sustenta as informações de Paulo Marinho”, disse a advogada.

    O empresário Paulo Marinho foi quem denunciou, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o suposto vazamento da operação para Flávio. Segundo Marinho — que é suplente de Flávio no Senado — em uma reunião em sua casa, um delegado da Polícia Federal avisou o então deputado estadual e candidato ao Senado de que a investigação poderia afetar seus funcionários.

    Leia também:

    Caso Queiroz: corregedor de Justiça arquiva reclamação contra presidente do STJ

    Após Queiroz e Geddel, Defensoria pede soltura de presos em grupo de risco

    Já Eduardo Benones, procurador do MPF no Rio de Janeiro, disse que grande parte do depoimento foi um confronto entre as falas de Paulo Marinho e a versão de Flávio Bolsonaro.

    Segundo Benones, Flávio Bolsonaro afirmou ter estado na reunião em que Marinho disse que ocorreu o vazamento de informação. No entanto, o senador negou ter recebido qualquer tipo de informação sobre a Furna da Onça.

    “Embora afirme que tenha estado na reunião de 13 de dezembro, ele negou que tenha tido qualquer tipo de conversa sobre a operação”, afirmou Benones. “A audiência era para colher depoimento do fato mais importante da investigação. Ele [Flávio Bolsonaro] respondeu o que foi perguntado. Agora vamos avaliar as respostas para ver o próximo passo.”

    (Edição: Bernardo Barbosa)