Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Witzel repassou R$ 15 mil em dinheiro vivo antes de operação da PF, diz delator

    Governador teria repassado R$ 15 mil em espécie a Pastor Everaldo

    Daniel AdjutoDaniela LimaRenata Agostinida CNN

    Ouvir notícia

    Dias antes de a Operação Placebo ganhar as ruas, em 26 de maio, o governador Wilson Witzel repassou R$ 15 mil em espécie a Pastor Everaldo, presidente do PSC, segundo relato de Edmar Santos, ex-secretário de Saúde do Rio. A movimentação financeira teria ocorrido dentro do Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador. 

    De acordo com Santos, que fechou acordo de colaboração premiada, foi o próprio Pastor Everaldo quem contou sobre o dinheiro. O presidente do PSC teria relatado que Witzel demonstrara temor de que policiais encontrassem os recursos durante operação de busca.

    “Trata-se de provável tentativa de esconder valores supostamente ilícitos, angariados em espécie (prática usual utilizada por grupos criminosos para evitar o rastreamento do dinheiro)”, diz trecho da decisão do ministro Benedito Gonçalves, do STJ, na qual ele decretou a prisão preventiva de seis investigados e o afastamento de Witzel do cargo de governador.

                   Leia também:

                   O que significa Tris in Idem? Entenda o nome da operação que afastou Witzel         
                   Quem é Pastor Everaldo, preso em operação sobre fraude de contratos no Rio
                   
    Mário Peixoto “comprou” despacho de Wilson Witzel, diz MPF
                   Pastor Everaldo influenciou contratos de hospitais de campanha, diz delator 

    Wilson Witzel

    O delator narrou ter sido chamado à sede do partido no dia “19 ou 20 de maio” para uma conversa com Everaldo. Na ocasião, o dirigente descreveu o repasse do dinheiro como forma de demonstrar que mantinha relação de confiança com o governador.

    A Placebo foi deflagrada em 26 de maio. Antes dela, a Favorito já havia avançado sobre o grupo de Witzel. Para os investigadores, o grupo já sabia que estava monitorado desde abril.

    Segundo o Ministério Público Federal, pastor Everaldo comanda vastas contratações e orçamentos no governo do Rio. Os investigadores cruzaram elementos colhidos com a delação de Edmar Santos e relatórios de inteligência do COAF e identificaram que o pastor utiliza os filhos no esquema. 

    O pagamento de R$ 15 mil pelo governador Wilson Witzel a Everaldo às vésperas da operação Placebo ocorreu, segundo salienta o ministro na decisão, “ante o temor de buscas e apreensões no Palácio Laranjeiras”.

    Segundo o Ministério Público Federal, pastor Everaldo comanda vastas contratações e orçamentos no governo do Rio. Os investigadores cruzaram elementos colhidos com a delação de Edmar Santos e relatórios de inteligência do COAF e identificaram que o pastor utiliza os filhos no esquema. 

    O pagamento de R$ 15 mil pelo governador Wilson Witzel a Everaldo às vésperas da operação Placebo ocorreu, segundo salienta o ministro na decisão, “ante o temor de buscas e apreensões no Palácio Laranjeiras”.

    Mais Recentes da CNN