17 estados e o Distrito Federal registraram casos de H3N2

Levantamento realizado pela Agência CNN apontou que 17 pessoas já morreram da nova variante da gripe

Artur NicoceliGiulia AlecrimJulyanne Jucáda CNN

São Paulo

Ouvir notícia

Além do coronavírus, outro assunto que está assolando o Brasil é a variante da gripe H3N2. Um levantamento realizado pela Agência CNN apontou que ao menos 17 estados e o Distrito Federal confirmaram casos da doença.

Dentre eles quatro são considerados em ‘estado de epidemia’: Rio de Janeiro, Espirito Santo, Rondônia e Rio Grande do Norte. Os outros que registraram casos são: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Bahia, Pernambuco, Sergipe, Ceará, Distrito Federal, Paraíba, Goiás, Maranhão e Pará.

E pelo menos cinco estados já registraram mortes após contaminação pelo H3N2: Rio de Janeiro (7), Bahia (5), Pernambuco (3), Paraná (1) e Rio Grande do Sul (1). Totalizando 17 mortes.

Em entrevista à CNN na sexta-feira (24), João Gabbardo, coordenador do Comitê Científico de São Paulo, afirmou que até o momento, “os números de casos graves são pequenos, mas a recomendação ainda é usar mascaras e evitar aglomerações”.

“Quem pensava em flexibilizar por conta da vacinação [contra a Ômicron], precisará retomar as medidas [contra a influenza]”, diz.

Ministério e as vacinas

O Ministério da Saúde afirmou à CNN que não existem pendências com estados e municípios. Eles afirmaram que todas as vacinas contra a gripe foram entregues.

“As 80 milhões de doses de vacinas adquiridas para a Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza foram distribuídas aos estados e Distrito Federal de forma proporcional e destinada aos públicos específicos da campanha”, declarou.

A pasta informou ainda, que avalia com atenção o aumento de casos de influenza nos estados.

“A pasta está prestando todo o suporte necessário ao estado do Rio de Janeiro com envio de doses adicionais de vacinas, remanejadas de outros estados”, declarou em nota. Até o momento, já foram entregues mais de 363 mil doses da vacina contra a gripe ao estado.

Mas as secretarias estadual e municipal de saúde em São Paulo, por exemplo, alegam que o imunizante está desatualizado, apenas funciona contra a H1N1.

Casos no Brasil

Veja abaixo as respostas das secretarias de saúde do Brasil sobre a H3N2:

Sudeste

Espírito Santo

A Secretaria da Saúde do Espírito Santo (Sesa) informou que os exames analisados pelo Laboratório Central têm indicado a predominância da Influenza A (subtipo H3N2), entretanto, até o momento, não há confirmação de que a cepa que está circulando no Espírito Santo é a mesma que tem sido observada nos demais estados.

A Sesa aguarda resultados de sequenciamentos genéticos que foram encaminhados para a Fiocruz.

Rio de Janeiro

A Secretaria de Estado de Saúde (SES), por meio da Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde (SVAPS), anunciou que foram registrados 362 casos de gripe (H1N1, H3N2, tipo A não subtipado e Influenza B) e 36 mortes pela doença.

A Secretaria esclarece que usou como parâmetro o ano de 2019 devido à atipicidade do ano passado, quando foram notificados 47 casos e 6 mortes por influenza.

A Secretaria informa que foram diagnosticados 47 casos e sete mortes por H3N2.

São Paulo

A Secretaria de Estado da Saúde solicitou ao Ministério da Saúde uma manifestação urgente quanto ao cenário epidemiológico da gripe no Brasil frente ao aumento de casos de Influenza no Rio de Janeiro e impacto nas análises epidemiológicas provocadas pelas falhas nos sistemas federais de notificação de doenças respiratórias. O pedido foi feito por meio de ofício enviado ao Governo Federal em 14 de dezembro.

Desde 9 de dezembro, os sistemas de informação federais estão indisponíveis, incluindo o SIVEP Gripe, onde são notificados os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e também de Covid-19, prejudicando a atualização das estatísticas estaduais. Consequentemente, o monitoramento das estatísticas fica impactado, dificultando a definição de estratégias de enfrentamento em momento oportuno. Além disso, o estado de São Paulo faz fronteira com o Rio de Janeiro, onde os casos de Influenza estão em ascensão.

O estado de São Paulo mantém 21 unidades sentinelas para identificação da circulação de vírus respiratórios.

Os dados preliminares de SRAG por Influenza disponíveis no SIVEP Gripe referentes a 2021, até 10 de dezembro, indicam 665 casos e 50 óbitos.

Minas Gerais

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES) informou que, até o momento, foram detectadas 67 amostras clínicas com a detecção do vírus influenza A pela Fundação Ezequiel Dias (Funed).

As amostras detectadas são provenientes de pacientes de 22 cidades mineiras e um do Rio de Janeiro. O predomínio dessa detecção concentra-se em pacientes com Síndrome Gripal provenientes da Macrorregião de Saúde Sudeste, com 53,7% (36/67), seguida da Macrorregião de Saúde Centro, com 20,9% (14/67) e da Centro Sul com 9,0% (6/67).

As macrorregiões de Saúde Sul, Vale do Aço, Leste, Oeste e Leste do Sul detectaram a presença do Influenza A em cerca de duas amostras, e demais macrorregiões não tiveram a detecção de nenhum vírus da influenza em 2021.

Sul

Rio Grande do Sul 

A Secretaria de Saúde (SES) confirmou na quinta-feira (22) o primeiro óbito do ano por gripe Influenza do tipo A: uma mulher de 67 anos, residente de São Francisco de Paula, que não recebeu medicação antiviral e apresentava doenças crônicas.

Ao todo, o estado já identificou 24 casos, sendo oito hospitalizações, incluindo o óbito, entre eles.

Casos de Influenza A H3N2 no RS em 2021

  • Cachoeirinha: 1 caso;
  • Gramado: 4 casos;
  • Harmonia: 1 caso (1 hospitalização);
  • Montenegro: 1 caso;
  • Osório: 1 caso;
  • Pelotas: 1 caso;
  • Porto Alegre: 5 casos (5 hospitalizações);
  • São Francisco de Paula: 6 casos (1 hospitalização com evolução de óbito);
  • Sapiranga: 1 caso;
  • Viamão: 3 casos (1 hospitalização).

Santa Catarina

Entre os meses de janeiro e dezembro (até o dia 16)  foram identificados em Santa Catarina 10 casos de Influenza, sendo dois com Influenza B e oito com Influenza A (1 caso H1N1 e 7 com a subtipagem H3). Os 7 casos da subtipagem H3 foram identificados entre o final de novembro e o início de dezembro.

Paraná

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou 20 casos da Influenza H3N2 e um óbito no Paraná nesta segunda-feira (20). A doença é um tipo do vírus da gripe Influenza A (H3), circulante no estado há pelo menos cinco anos.

Os casos foram registrados nos municípios:

  • Campo Largo (2),
  • Campo Mourão, Castro (2),
  • Cornélio Procópio (1),
  • Curitiba, Guarapuava (1),
  • Maringá (1),
  • Paranaguá (3),
  • Pato Branco (3),
  • Pinhais (2),
  • Tapira (1),
  • Toledo (1),
  • Resende (1),
  • Rio de Janeiro (diagnosticado no município de Rio Negro, no Paraná).

O óbito refere-se a uma mulher de 77 anos, com comorbidades, residente em Maringá. A paciente foi internada no dia 8 de dezembro, evoluindo a óbito no dia 11 do mesmo mês. Ela havia tomado a vacina contra a influenza em outubro deste ano.

“É importante deixar claro que o estado não está em surto de gripe. Não há motivo para pânico”, disse o secretário da Saúde, Beto Preto.

Centro-oeste

Goiás

A Secretaria de Estado da Saúde informa que foram confirmados 61 casos de Influenza A H3N2 em todo o estado.

A maior concentração de registros ocorre em Rio Verde, com 33 casos de residentes identificados, e em Goiânia, com 18 casos de residentes do município.

Dados mais recentes disponíveis mostram que a cobertura vacinal contra a Influenza no estado está em 73%.

Outra orientação importante é para que se busque atenção médica, se apresentar sintomas gripais como, febre, tosse e coriza.

Distrito Federal

Neste ano apenas um caso de Influenza A H3N2 foi registrado no DF e foi importado. O paciente, do sexo masculino, contraiu a doença e recebeu o diagnóstico em São Paulo.

Mato Grosso do Sul

O vírus da Influenza está presente no estado, mas não há risco de epidemia ou surto em Mato Grosso do Sul.

Mato Grosso

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que não foi notificada de casos Influenza H3N2 em 2021.

Nordeste

Paraíba

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmou, na última terça-feira (21), a circulação comunitária do vírus Influenza A. A Paraíba teve 17 casos notificados para doença, dos quais 13 foram confirmados para H3N2.

Bahia

A Bahia possui 185 casos de Síndrome Gripal (SG) com laudo positivo para Influenza A H3N2 e duas mortes ocasionadas pela doença. De acordo com o boletim divulgado pelo Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lancen-BA) na última terça-feira, 61 casos evoluíram para Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e necessitaram de hospitalização, sendo um de Camaçari, um de Lauro de Freitas e 59 de Salvador.

A segunda vítima registrada, um homem de 84 anos, não estava vacinado contra a doença, possuía cardiopatia crônica e doença neurológica. O primeiro óbito por H3N2 na Bahia ocorreu na semana passada, uma mulher de 80 anos que residia em Salvador e também não estava vacinada.

Além de Salvador, com 151 casos, também registraram ocorrências os municípios:

  • Alagoinhas (1),
  • Aratuípe (1),
  • Cachoeira (1),
  • Camaçari (3),
  • Catu (3),
  • Conceição do Jacuípe (1),
  • Eunápolis (1),
  • Feira de Santana (2),
  • Gandu (1), Ilhéus (1),
  • Itabepi (2),
  • Laje (1),
  • Lauro de Freitas (4),
  • Macajuba (1),
  • Nazaré (1),
  • Porto Seguro (1),
  • Presidente Tancredo Neves (2),
  • São Sebastião do Passé (5),
  • Teolândia (1),
  • Vitória da Conquista (1)

Pernambuco

Nesta quinta-feira, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) consolida mais uma rodada de resultados de exames para a influenza. Nessa nova análise, foram obtidas 179 amostras laboratoriais positivas, sendo 174 para o subtipo A (H3N2) e 5 A não subtipada. Com isso, totalizam 222 casos da doença em Pernambuco, 217 para influenza A (H3N2) – sendo 1 pelo critério clínico-epidemiológico – e 5 não subtipada. As análises foram realizadas no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-PE).

Dos 222 casos, 28 (12,6%) apresentaram quadro de síndrome respiratória aguda grave (SRAG). Também estão confirmados 3 óbitos pela influenza A (H3N2).

Sergipe

A Secretaria de Estado da Saude (SES) recebeu a confirmação do registro de 46 novos casos da gripe Influenza A H3N2 no estado de Sergipe. A análise das amostras foi realizada pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). Os casos foram registrados em pacientes de:

  • Boquim (01),
  • Capela (01),
  • Gararu (01),
  • Graccho Cardoso (01),
  • Itabaianinha (30),
  • Nossa Senhora do Socorro (03),
  • Riachão do Dantas (01),
  • São Cristóvão (06)
  • Siriri (01)

Das amostras processas 22 são do sexo feminino e 24 do sexo masculino, na faixa etária de 05 a 70 anos. Outros seis casos de H3N2 haviam sido confirmados recentemente, sendo seis em Itabaianinha e um em Aracaju.

Ceará

Em 2021, até o dia 4 de dezembro, foram notificados 67.762 casos de síndrome respiratória aguda grave no Sivep-Gripe. Dos casos investigados em pacientes internados, somente três foram confirmados como influenza, sendo um classificado como influenza A (não subtipado – amostra de laboratório particular), um como influenza A (H3N2) e um caso como influenza B. O paciente internado com H3N2 recebeu alta. É um homem de 76 anos, morador da Região Norte. A Vigilância Epidemiológica do Estado rastreia surtos, internações e óbitos.

Piauí

Sem aumentos de casos no Piauí

Rio Grande do Norte

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) alerta à população para o aumento de síndromes gripais com maior circulação de vírus respiratórios (Influenza) no estado do Rio Grande do Norte.

A Sesap reforça a  necessidade da imunização com as vacinas contra a Covid-19 e a Influenza, disponíveis em todos os municípios. O estado distribuiu 200 mil doses da vacina contra a Influenza em 13 de dezembro para reforçar o trabalho de imunização dos potiguares.

Além disso, se faz necessário ainda manter todos os cuidados não farmacológicos, como o uso correto da máscara em locais abertos e fechados, a higienização das mãos e o uso do álcool 70.

Até o momento, foram identificadas 93 casos de Influenza A e 37 casos de H2N3, investigadas através do Laboratório Central (LACEN). Além disso, foi detectado ainda o primeiro caso de co-infecção entre Influenza e Covid-19.

Alagoas

Não tem casos confirmados em Alagoas

Maranhão

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou o primeiro caso confirmado por laboratório de Influenza subtipo H3N2 no Maranhão. O caso é acompanhado por equipes do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS).

A SES informa que o paciente, de 10 anos, do sexo masculino, que registrou atendimento na rede hospitalar particular com quadro com sintomas de febre, tosse e obstrução nasal, evoluiu para cura. O resultado da amostra coletada em 15 de dezembro foi liberado nesta quarta-feira.

Norte

Amazonas

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP) monitora o aumento de casos de Influenza no Amazonas, que apresenta 494 casos da doença, apresentando 8% de positividade entre os exames realizados pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (Lacen-AM) desde o início de novembro até esta sexta-feira (17).

Os 494 casos foram confirmados a partir do processamento de 6.175 amostras no Lacen-AM. O Amazonas enfrenta período sazonal para a ocorrência de vírus respiratórios, entre a Influenza A (H3N2), que coincide com o período chuvoso no estado, registrado entre novembro e maio anualmente.

Conforme levantamento do Departamento de Vigilância Epidemiológica da FVS-RCP, foram registrados 262 casos no período de 12 a 17 de dezembro, que ainda segue em curso, representando 33% de positividade. Já no período de 21 a 27 de novembro, foram registrados 53 casos, 6% de positividade.

Ainda segundo o levantamento, a faixa etária mais acometida pelo vírus inclui pessoas de 20 a 29 anos, com 212 casos. O diretor técnico da FVS-RCP, Daniel Barros, destaca que, apesar do aumento, a maioria dos casos são de quadro clínico leve e sem necessidade de internação hospitalar.

Acre

Não estamos em surto

Tocantins

Não foi confirmado nenhum caso influenza no estado do Tocantins, em 2021

Pará

A Secretaria Estadual de Saúde informa que, nesta quarta-feira (22), 41 amostras de pacientes com síndromes gripais encaminhadas pelo município de Belém testaram positivo para o vírus da influenza H3N2.

Amapá

Existe sim um aumento, não significativo ainda, porém temos registrados 13 casos.

Roraima

A Secretaria de Saúde de Roraima informa que o estado não enfrenta surto gripal do vírus Influenza A H3N2.

Rondônia

Até o dia 15 de dezembro, o estado confirmou, por meio do Laboratório de Saúde Pública do Estado de Rondônia (Lacen), que 485 amostras tiveram o resultado positivo para Influenza A.

 

Mais Recentes da CNN