OMS recua e diz que não é contrária ao uso de ibuprofeno para tratar coronavírus


Da CNN Brasil, em São Paulo
19 de março de 2020 às 11:42
Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS

Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS, durante entrevista coletiva em Genebra sobre o novo coronavírus

Foto: Denis Balibouse - 24.fev.2020/ Reuters

A Organização Mundial da Saúde (OMS) mudou de posicionamento e anunciou que não é contrária ao uso de medicamentos a base de ibuprofeno para tratar o novo coronavírus. 

A indicação para priorizar o paracetamol em vez do ibuprofeno havia sido dada na terça-feira (17) e foi corroborada pelo Ministério da Saúde.

Assista e leia também: 

Coronavírus: como é viver na Itália, epicentro da pandemia na Europa

Em sua conta oficial no Twitter, a OMS declarou que, com base nas informações disponíveis hoje, não dá recomendações contrárias ao uso de ibuprofeno. 

"Estamos consultando médicos que tratam pacientes com COVID-19 e não temos conhecimento de relatos de efeitos negativos do ibuprofeno, além dos colaterais já conhecidos que limitam seu uso em determinadas pessoas", afirmou o órgão.

Em nota, o porta-voz organização, Tarik Jasarevic, disse que “a OMS está ciente das preocupações com o uso de anti-inflamatórios não esteroides (como o ibuprofeno) para o tratamento da febre em pessoas com a COVID-19”.

“Consultamos médicos que tratam pacientes com o novo coronavírus e eles não conhecem dados de qualquer efeito negativo de ibuprofeno, além dos efeitos colaterais conhecidos”, afirmou Jasarevic.