Como são os bastidores do tratamento de coronavírus em um hospital de SP

Rede de hospitais Prevent Senior testa cloroquina em pacientes

José Brito Da CNN, em São Paulo
29 de março de 2020 às 19:18 | Atualizado 29 de março de 2020 às 19:22

O Ministério da Saúde autorizou a utilização do medicamento cloroquina como terapia auxiliar no tratamento de casos graves pelo novo coronavírus.  

Em entrevista à CNN, Pedro Batista Júnior, médico e diretor-executivo da Prevent Senior, falou em que momento a medicação pode ser usada para os casos moderados, uma vez os efeitos colaterais podem ser muito perigosos se não prescritos e acompanhados por uma equipe médica. 

"Hoje, os pacientes que estão apresentando padrões muito claros de tomografia alterada, febre por mais de dois dias, desconforto respiratório e padrões que começam a se somar têm a indicação de iniciar o tratamento. Nós não podemos esperar o paciente piorar para usar a droga", disse.

"Justamente porque, quando o paciente piora, infelizmente os mais convalescentes se mostram muito reticentes em ter uma recuperação mais rápida. E isso é extremamente perigoso", continuou.

O especialista avaliou que a evolução clínica, geralmente, se dá em 48 hotas. 

"Os pacientes mais frágeis evoluem muito rápido. A característica da agressão pulmonar dessa doença é muito intensa. Portanto, quando os sintomas iniciais clássicos começam a evoluir, elas precisam, sim, procurar ajuda e orientação médica para começar ou não um tratamento", afirmou.

Segundo o médico, houve pacientes que chegaram nos hospitais com insuficiência respiratória e pacientes com sintomas que evoluiram muito rápido. "O que ficou claramente constatado para nós é que é necessário o suporte precoce ventilatório. Ou seja, se o paciente chegou com uma falta de ar significativa, significa que esse indivíduo precisa de um suporte ventilatório precoce para poder se manter vivo", explicou.

O Brasil tem 4.256 casos confirmados e 136 mortes do novo coronavírus. São Paulo tem agora 98 mortes pela COVID-19.

A produção da CNN passou três dias acompanhando a situação nos hospitais da Prevent Senior, em São Paulo. Nessa rede foram registradas cinco mortes por coronavírus. A primeira do país aconteceu lá. A seguir, estão as imagens exclusivas de como está sendo o atendimento aos pacientes por lá.