Brasil confirma mais de 600 mortes por Covid-19 pelo segundo dia consecutivo


Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
07 de maio de 2020 às 19:13 | Atualizado 07 de maio de 2020 às 20:05
Estrutura do coronavírus

Estrutura do coronavírus

Foto: CNN

Pelo segundo dia consecutivo, o Brasil registrou cerca de 10 mil novos casos do novo coronavírus e mais de 600 novas mortes decorrentes da Covid-19. Segundo o balanço divulgado na noite desta quinta-feira (7) pelo Ministério da Saúde, o país confirmou 9.888 novos casos e 610 novas mortes. Com isso, o país tem 135.106 casos confirmados e 9.146 mortes.

Das 610 novas mortes, segundo o Ministério, 227 aconteceram nos últimos três dias. O número total se refere àqueles casos e mortes que foram registrados ao longo do dia, desde o último boletim. 

Dos 135.106 casos, além das 9.146 mortes, o país contabiliza 55.350 recuperados. Outras 70.610 pessoas estão em acompanhamento.

No boletim anterior, divulgado na quarta (6), o Brasil contabilizava um acréscimo de 10.503 casos e 615 mortes.

Assista e leia também:

Divulgação de exames de Bolsonaro é questão política, diz Mandetta

Bolsonaro amplia lista de serviços essenciais e inclui indústria e construção

Anticoagulantes podem ajudar pacientes graves de COVID-19, segundo estudo

O estado com o maior número de casos é São Paulo, que tem 39.928 diagnósticos e 3.206 mortes. Na sequência, aparecem Rio de Janeiro (14.156 casos e 1.394 mortes), Ceará (13.888 casos e 903 mortes), Pernambuco (10.824 casos e 845 mortes) e Amazonas (10.099 casos e 806 mortes).

Boletim epidemiológico do novo coronavírus - 07/05

Boletim epidemiológico do novo coronavírus - 07/05

Foto: Ministério da Saúde

Metodologia

Os números divulgados diariamente pelo Ministério da Saúde refletem os casos registrados entre os boletins pelas secretarias estaduais de Saúde, independentemente da data em que tenham ocorrido. Estimativas recentes mostram que as mortes podem levar mais de um mês para serem inseridas.

Oscilações nos números também são influenciadas por outros dois fatores: a capacidade de testagem e a própria rotina de trabalho das secretarias. De acordo com a pasta, os números podem ser influenciados pela resolução concentrada de diagnósticos e por feriados e finais de semana, que influenciam a equipe disponível para que as secretarias processem as informações.