Após saída de Teich, Saúde vai mudar atendimento de casos leves de Covid-19

Mais cedo, em entrevista coletiva, ministro Walter Braga Netto afirmou que pasta prepara novo protocolo para adoção da hidroxicloroquina

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
15 de maio de 2020 às 20:20
Eduardo Pazuello
O ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello
Foto: Erasmo Salomão/Divulgação/M. da Saúde

O Ministério da Saúde anunciou na noite desta sexta-feira (15) que está "finalizando novas orientações de assistência aos pacientes com Covid-19", com foco em abranger "o atendimento aos casos leves, sendo descritas as propostas de disponibilidade de medicamentos, equipamentos e estruturas".

A pasta não citou em nota divulgada quais serão essas orientações, mas, mais cedo, em entrevista coletiva, o ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, afirmou que estava "aguardando" um novo protocolo da Saúde permitindo a adoção da hidroxicloroquina nos casos leves da doença do novo coronavírus.

A divisão a respeito da adoção do medicamento desde os primeiros sintomas Covid-19 foi a razão para que Nelson Teich pedisse demissão do Ministério da Saúde. Na véspera, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em transmissão nas redes sociais, havia anunciado novas orientações para o uso do composto no atendimento aos pacientes com o coronavírus.

Após a saída do ministro, o comando do Ministério da Saúde está sendo exercido pelo general Eduardo Pazuello, que era o secretário-executivo da gestão de Teich. Pazuello estava presente ao pronunciamento de despedida do agora ex-ministro, mas não falou. Ele não foi à coletiva ministerial desta sexta-feira.

Assista e leia também:

Hidroxicloroquina: o que é o medicamento e por que ele divide o governo?

Brasil bate recorde de novos casos de Covid-19; mortes chegam a 14.817

Guedes cobra veto a aumento a servidores públicos: 'Não assaltem o Brasil'

Tanto Teich quanto o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que deixou o cargo em março, criticavam a adoção precoce da hidroxicloroquina, temendo possíveis efeitos colaterais, sobretudo relacionados a problemas cardiológicos. Segundo a apuraçao da CNN, o ex-ministro Nelson Teich afirmou que não ia "manchar a minha história por causa da cloroquina."

A produção e distribuição do medicamento foi listada como uma das principais medidas adotadas pelo governo federal para o combate à pandemia, em vídeo produzido pela Secretaria Especial de Comunicação Social em coletiva.

Na quinta-feira (14), outra integrante do governo, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, foi à cidade de Floriano (PI) conhecer um protocolo de uso da hidroxicloroquina que está sendo adotado na cidade, que classificou como sendo um "milagre".

Íntegra da nota do Ministério da Saúde:

"O Ministério da Saúde está finalizando novas orientações de assistência aos pacientes com Covid-19. O objetivo é iniciar o tratamento antes do seu agravamento e necessidade de utilização de UTI (Unidades de Terapia Intensiva). Assim, o documento abrangerá o atendimento aos casos leves, sendo descritas as propostas de disponibilidade de medicamentos, equipamentos e estruturas, e profissionais capacitados. As orientações buscam dar suporte aos profissionais de saúde do SUS (Sistema Único de Saúdel) e acesso aos usuários mais vulneráveis às melhores práticas que estão sendo aplicadas no Brasil e no mundo."