América Latina representa 1/3 dos novos casos de Covid-19 no mundo

América Latina representou cerca de um terço dos 91.000 casos relatados no início desta semana

Da CNN, em São Paulo
20 de maio de 2020 às 21:31 | Atualizado 21 de maio de 2020 às 03:47
Casos de contaminados por coronavírus no mundo superam a marca de 5 milhões
Foto: Juan Medina - 2.abr.2020/ Reuters
 
Os casos de coronavírus no mundo ultrapassaram a marca de 5 milhões no mundo nesta quinta-feira (21), segundo contagem da universidade americana Johns Hopkins. Para chegar a esse índice, América Latina ultrapassou os Estados Unidos e Europa, ao registrar a maior parcela de novos casos diários globalmente.

Os números representam uma nova fase na disseminação do vírus, que atingiu o auge inicialmente na China em fevereiro, em seguida os surtos em grande escala foram registrados na Europa e nos Estados Unidos.

A América Latina representou cerca de um terço dos 91.000 casos relatados no início desta semana. Europa e Estados Unidos foram responsáveis por pouco mais de 20% cada.

Leia também:

Com quase 20 mil novos casos, Brasil tem recorde diário de Covid-19

Grande parte desses novos casos veio do Brasil, que recentemente superou Alemanha, França e Reino Unido, tornando-se o terceiro país com maior número de casos no mundo, atrás dos Estados Unidos e da Rússia.

Os casos no Brasil estão aumentando a um ritmo diário que o coloca em segundo lugar em termos de velocidade da pandemia, perdendo apenas para os Estados Unidos.

Os primeiros 41 casos de coronavírus no mundo foram confirmados em Wuhan, na China, em 10 de janeiro, e demorou até 1º de abril para atingir o primeiro milhão de casos. Desde então, cerca de 1 milhão de novos casos são relatados a cada duas semanas, de acordo com contagem da Reuters.

Com mais de 5 milhões de casos, o vírus infectou mais pessoas em menos de seis meses do que o total anual de casos graves de gripe, que a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima em torno de 3 milhões a 5 milhões em todo o mundo.

A pandemia já matou mais de 326.000 pessoas, embora o número real deva ser maior, já que os testes ainda são limitados e muitos países não incluem mortes fora dos hospitais nas contas oficiais. Mais da metade do total de mortes foi registrada na Europa.

Com Reuters