Vacina será testada no Brasil com parceria com farmacêutica norte-americana


Da CNN
17 de junho de 2020 às 12:20 | Atualizado 18 de junho de 2020 às 10:17
Cientista conduz pesquisa sobre possível vacina contra novo coronavírus nos EUA

Cientista conduz pesquisa sobre uma possível vacina contra o novo coronavírus no laboratório da Arcturus Therapeutics em San Diego, Califórnia

Foto: Bing Guan – 17.mar.2020/ Reuters

Uma vacina experimental para a Covid-19, desenvolvida em parceria entre a empresa brasileira Farmacore e a norte-americana PDS, passará por testes clínicos no Brasil, com possibilidade de ter recursos financiados pelo governo federal via Ministério da Ciência e Tecnologia, informou a PDS em comunicado nesta quarta-feira (17).

Segundo a companhia, a vacina Versamune-CoV-2FC combina uma proteína SARS-CoV-2, desenvolvida pela Farmacore, com a nanotecnologia da plataforma Versamune, da PDS Biotech.

As empresas planejam utilizar centros de pesquisa nos Estados Unidos e no Brasil para acelerar os ensaios pré-clínicos e clínicos da Versamune-CoV-2FC.

Assista e leia também:

Dexametasona: OMS vai mudar orientações para tratar pacientes em estado grave
Estudo sugere que coronavírus pode se espalhar pela descarga do vaso sanitário
Governo federal envia 4,3 milhões de comprimidos de cloroquina a estados
Imperial College inicia testes em humanos de potencial vacina para Covid-19

"Estamos entusiasmados para expandir nossa colaboração contínua com a Farmacore, que oferece uma oportunidade para avançar rapidamente no desenvolvimento de uma nova vacina para a Covid-19 rumo a testes clínicos de fase 1 no Brasil", disse o presidente-executivo da PDS Biotech, Frank Bedu-Addo.

"Acreditamos que o emparelhamento da tecnologia Versamune de ativação de células T, da PDS Biotech, com a proteína SARS-CoV-2 recombinante, da Farmacore, nos permitirá avaliar rapidamente a eficácia da vacina para reduzir potencialmente a propagação contínua de infecções por Covid-19", acrescentou.

A Farmacore manterá os direitos de comercialização na América Latina, ao passo que as receitas das vendas na região serão compartilhadas entre as duas empresas, de acordo com o comunicado.

Financiamentos adicionais para o desenvolvimento da vacina estão em discussão com outras agências governamentais e não governamentais. O valor do financiamento do Ministério de Ciência e Tecnologia não foi informado.

Em nota, o ministério afirmou que o projeto ainda está sendo estudado.

“O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) informa que o apoio ao projeto ainda está sendo discutido no âmbito do ministério. Se concretizado, o apoio do MCTI será para a Universidade de São Paulo, que possui um acordo de cooperação com a empresa Farmacore para o desenvolvimento da vacina. O coordenador do projeto será o Dr. Celio Lopes Silva – Professor Titular de Imunologia do Departamento de Bioquímica e Imunologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo (FMRP-USP). O MCTI esclarece, ainda, que os recursos serão para a fase pré-clínica e produção do lote piloto da vacina. No momento, não está sendo discutido apoio para ensaios clínicos”, disse o órgão no comunicado.

(Com Reuters)